fbpx

Verão na Beira Baixa – das praias fluviais às aldeias históricas

por Fábio Santos

E porque não umas férias de Verão diferentes? As praias de qualidade já não se restringem unicamente entre Viana do Castelo e Vila Real de Santo António, o interior está cheio de praias incríveis! A Beira Baixa é uma região que nos tem surpreendido pela qualidade das suas praias fluviais, pelos seus cursos de água, mas sobretudo por uma razão que nem sempre encontramos na costa, a tranquilidade. Piscinas fluviais rodeadas de vegetação, trilhos com vistas incríveis, uma gastronomia de mão cheia conjugada com umas gentes de uma hospitalidade tremenda.

A convite da Comunidade Intermunicipal da Beira Baixa voltamos a esta região para rever alguns dos locais que mais nos apaixonaram e conhecer outros tantos maravilhosos. Se está à procura de umas férias tranquilas, longe das multidões e onde a qualidade da água recebe prémios, continue a ler este artigo e vai descobrir tudo o que procura na Beira Baixa.

Beira Baixa | Locais ideais para uma escapadinha de Verão

O interior também tem praias! Todos nós sabemos disso, mas sempre desvalorizamos as potencialidades das praias fluviais, inclusive nós. A Beira Baixa fez-nos mudar de opinião porque desde a nossa primeira passagem por esta região que ficamos encantados com os seus rios, riachos, cascatas e praias fluviais espaçosas e com excelentes condições.

A Beira Baixa divide-se em 6 municípios: Castelo Branco, Idanha-a-Nova, Oleiros, Proença-a-Nova, Penamacor e Vila Velha de Ródão e em todos eles encontramos locais para passar um dia de verão de excelência.

Oleiros

Praia Fluvial Açude de Pinto

No centro da vila de Oleiros encontramos a Praia Fluvial Açude Pinto, uma praia localizada no curso de água da Ribeira de Oleiros. Constituída por duas piscinas naturais, uma para adultos e outra para crianças, esta praia para além da transparência da água conta com uma envolvente natural incrível. Em redor dispõe de todas as infraestruturas de apoio que ajudam a completar um dia de praia em cheio: zonas de relvas, boa sombra, parque de merendas, parque infantil e fica ainda localizada nas imediações do Parque de Campismo de Oleiros.

Rota “À descoberta da Ribeira” e Rota do Cabrito

Para quem é fã de percursos pedestres, na Praia Fluvial do Açude Pinto inicia-se o percurso “À descoberta da Ribeira” e a “Rota do Cabrito”, em que ao longo de cerca de 10km irá caminhar lado a lado com a ribeira de Oleiros e descobrir os seus famosos sete açudes. Ao longo do trajeto é brindado com uma passagem extraordinária, e se tiver mais sorte do que nós, pode até mesmo avistar lontras ou esquilos. Se o tempo estiver agradável não deixe de ir a banhos no Açude da Lameira, que é para os locais o “açude mais bonito do mundo”.

Coordenadas Açude da Lameira: N 39° 54.996 W 007° 54.210

Praia Fluvial de Cambas

A Praia Fluvial de Cambas é outro dos bons locais que encontramos no concelho de Oleiros para quem deseja um dia de praia na Beira Baixa. Localizada nas margens do Rio Zêzere esta praia, pela nossa experiência, é umas das mais sossegadas da região. A praia tem uma enorme área relvada, imensa sombra e todos os equipamentos necessários para a realização de um piquenique.

Álvaro

Nas margens do rio Zêzere fomos ao encontro de uma das nossas perdições, as aldeias de xisto, desta feita para visitar a aldeia de Álvaro. Esta aldeia é conhecida com uma das “aldeias brancas” em que a maior parte das casas são realmente de xisto, mas com o passar dos anos foram pintadas, alterando o ambiente xistoso que por norma associamos a estas aldeias. Além das construções, o que mais se destaca do interior desta aldeia são as vistas incríveis para o Zêzere e para as encostas verdejantes que o circundam.

Mas estando ao lado do Zêzere tinha obrigatoriamente de existir a Praia Fluvial de Álvaro. Com um panorama envolvente incrível esta praia está localizada num local que respira tranquilidade, mas que ainda assim não descuida certas mordomias. Na praia existe uma piscina flutuante que se divide em dois espaços, um para adultos e outro para crianças, um parque infantil, parque de merendas e um bar de apoio.

Orvalho

Os Passadiços de Orvalho tornaram esta aldeia um local de paragem obrigatória numa visita à Beira Baixa. Estes passadiços são na verdade a GeoRota de Orvalho, um percurso com cerca de 9km que tem a duração de cerca de 5h, onde irá encontrar algumas das vistas mais impressionantes das beiras.

Inserida nos passadiços está a cascata Fraga de Água d’Alta, uma cascata impressionante onde a água cai de um penhasco com cerca de 10 metros que forma uma linda lagoa de águas límpidas. Se tiver sorte com a meteorologia é impossível resistir a um mergulho. O ponto final dos passadiços é no Miradouro do Mosqueiro onde temos uma vista deslumbrante sobre toda a região. Deste miradouro consegue-se avistar a serra do Açor, da Lousã e da Estrela. O miradouro tem também um excelente parque de merendas com todas as condições para a realização de um piquenique.

Miradouro do Zebro

Na berma da Estrada Nacional N238 está localizado o Miradouro do Zebro, onde temos uma das paisagens mais arrebatadoras da Beira Baixa. Localizado na Serra do Muradal, neste sítio consegue-se observar os materiais rochosos que constituíram os fundos marinhos há cerca de 500 milhões de anos. Atualmente são o topo das montanhas que, rodeados de vegetação, assumem uma paisagem de cortar a respiração.

Proença-a-Nova

Praia Fluvial de Fróia

O grande atrativo do território de Proença-a-Nova são sem dúvida as suas fantásticas praias fluviais. A Praia Fluvial de Fróia é uma das mais afamadas que nasceu em um dos muitos cursos de água límpida e de tremenda qualidade que abundam nesta região. A qualidade é tanta que lhe vale ano após ano a distinção de Qualidade de Ouro pela Quercus.

O que nos faz ficar fascinados com esta praia é o ambiente natural que a envolve. Por estar localizada num vale, ao seu redor encontramos unicamente vegetação e o som cativante dos animais que por ali habitam. Além das potencialidades naturais que a tornam incrível, os arredores da praia foram valorizados para proporcionar uma experiência balnear ainda melhor sem colocar em causa a identidade do local. Assim a maioria das rampas e os locais de repouso são construídos em xisto, existindo até alguns moinhos de xisto perfeitamente recuperados. É sem dúvida uma das nossas praias de eleição!

Praia Fluvial da Aldeia Ruiva

A Praia Fluvial da Aldeia Ruiva não é para nós das paisagisticamente mais bonitas, mas tem outras grandes vantagens. Em primeiro lugar não necessitamos de andar de carro entre curvas e contracurvas da montanha para a encontrar uma vez que fica a poucos metros do IC8 e, além disso, é das praias mais acessíveis que conhecemos, tanto que é classificada com a bandeira de Praia Acessível. Além de na piscina existir diferentes profundidades, o que a torna indicada e segura tanto para crianças como para adultos, ainda dispõe de uma cadeira anfíbia para pessoas com mobilidade reduzida.

Além de todas estas qualidades, dispõe de zonas de repouso tanto em relva como em areia, bar, restaurante e um parque de campismo.

Praia Fluvial do Alvito da Beira

Num vale verdejante, numa aldeia perdida na serra, encontramos a Praia Fluvial do Alvito da Beira localizada na margem direita da ribeira do Alvito. Pela sua localização a paisagem envolvente é obrigatoriamente incrível e em dias em que a praia é pouco frequentada é maravilhoso ficar a admirar esta joia da natureza.

A praia tem excelentes infraestruturas: zonas de sombra, bar, relva e nos meses de verão é vigiada. O único aspeto negativo é que as zonas para estender a toalha não são muitas, o que dificulta nos dias de maior afluência.

Praia Fluvial do Malhadal

A Praia Fluvial do Malhadal é uma das joias da Beira Baixa e uma das mais conhecidas da região. Localizada na Ribeira da Isna, um afluente do rio Zêzere, esta praia tem cerca de 1km de extensão e tem a particularidade de nos meses de verão ter instalado um parque aquático com diversos equipamentos, o conhecido Fluvifun.

Este espaço balnear surge devido ao aproveitamento do açude que foi construído para que a água acumulada servisse de regadio à agricultura nas suas margens. Com o desaparecimento da agricultura por estas bandas este açude foi aproveitado e criadas condições de excelência para que ali nascesse uma praia fluvial. Assim, para além da água ser de tremenda qualidade, distinguida com Qualidade de Ouro pela Quercus, existem ainda duas piscinas flutuantes, uma para crianças outra para adultos, um bar com restaurante, parque de merendas e casas de banho. Uma praia que reúne todas as condições para um dia repleto de mergulhos no centro de Portugal.

Praia Fluvial de Cerejeira

A poucos quilómetros da aldeia de Catraia Cimeira está localizada a Praia Fluvial da Cerejeira que tem nas suas potencialidades paisagísticas o seu grande atrativo. Por ser uma das praias fluviais mais recentes da região ainda não tem tantas infraestruturas como muitas outras, mas tem tudo aquilo que é necessário para passar um belo dia. A zona da piscina é enorme, bastante larga, tem boas zonas de sombra e o facto de ser menos “urbana” agradou-nos e muito. Além de praia é um local bastante procurado para a prática de pesca desportiva.

Aldeia de xisto da Figueira

As aldeias de xisto são algo que nos dá sempre prazer em conhecer, pelo simples facto de serem o sítio que mais facilmente transporta o nosso imaginário para o Portugal de antigamente. Conseguimos sentir a autenticidade e vivenciar hábitos que perduram há séculos. A Aldeia de Xisto da Figueira é das aldeias de xisto melhor preservadas da Beira Baixa, com várias casas em excelente estado de conservação. Os quintais, o som dos animais, os aromas da horta e da fabulosa comida tradicional beirã pairam no ar, numa visita que nos guia ao Portugal profundo.

Dica: Centro de Ciência Viva da Floresta

Para crianças, e não só, não muito distante da Aldeia de Xisto da Figueira encontra-se o Centro de Ciência Viva da Floresta onde existem experiências interativas que dão a conhecer a floresta e a natureza num conjunto de atividades que de certo lhe irão agradar.

Vila Velha de Ródão

Portas de Ródão

Um dos grandes cartões de visita de Vila Velha de Ródão é sem dúvida as Portas de Ródão, uma garganta quartzítica na Serra do Perdigão que o rio Tejo escavou ao longo dos anos. Atualmente toda a área é protegida, dada a sua riqueza natural, sendo a maior colónia de grifos do país e local onde se pode observar dezenas de espécies distintas de aves. Nas margens do rio existe ainda o Complexo de Arte Rupestre do Vale do Tejo onde foram descobertos vestígios pré-históricos.

Castelo do Rei Wamba

O Castelo de Ródão, também conhecido como Castelo do Rei Wamba (ou Vamba), é o monumento mais conhecido de Vila Velha de Ródão e também um local privilegiado para observar o Rio Tejo e as Portas de Ródão. Acredita-se que a sua origem data do tempo da ocupação Moura em Portugal, mas a sabedoria popular associa-o ao rei Vamba, último rei dos visigodos. O conjunto amuralhado e a torre de menagem estima-se que terão sido erguidos pelos Templários, por volta do século XII ou XIII. Um local que é a associação perfeita entre a história e a envolvente natural.

Curiosidade: Conhecem a lenda do Castelo do Rei Vamba?

A sabedoria popular associa a sua origem ao rei Vamba, último rei dos Visigodos, e a principal lenda que se conta é uma verdadeira história de amor, mas principalmente de maldição. A mulher do Rei Vamba apaixonou-se por um rei mouro que habitava do outro lado do Tejo. Para se encontrem, o rei mouro construiu um túnel que atravessava o Tejo. Uma vez o Rei Vamba, disfarçado de mendigo, conseguiu descobri-la e como castigo atirou-a por uma escarpa abaixo. Segundo dizem, até hoje, onde o corpo rolou nunca mais cresceu vegetação!

Portas do Almourão

Estamos na zona das “portas”, depois de visitadas as afamadas Portas de Ródão foi tempo de visitar as Portas do Almourão. Não muito distante de Vila Velha de Ródão está localizado outro fenómeno geológico impressionante, desta feita as imponentes escarpas quartzíticas foram rompidas pela ação do Rio Ocreza. No Miradouro das Portas do Almourão pode observar de perto esta paisagem incrível, tanto do rio como de toda a biodiversidade que por ali decidiu despontar.

Cais de Vila Velha de Ródão

Na zona ribeirinha de Vila Velha de Ródão encontramos o Cais Fluvial onde, para além de ser o local de embarque para bonitos passeios no rio Tejo, inclusive por entre as Portas de Ródão, é também um bonito local para repousar e admirar de toda a exuberância paisagística que o leito do Tejo e as suas encostas proporcionaram. Além de um jardim bem arranjado existe também um parque de merendas onde é possível passar um belo bocado num sítio de uma beleza extraordinária.

Praia Fluvial da Foz do Cobrão

A Praia Fluvial da Foz do Cobrão é uma das pérolas da Beira Baixa e uma das praias que mais apreciamos em toda a região. Recentemente a zona envolvente foi requalificada, possuindo agora uma generosa zona relvada onde podemos esticar a toalha e ainda mesas e cadeiras para a realização de piqueniques.

Por termos tido a bênção de a encontrarmos largos minutos sem ninguém tivemos a oportunidade de dar um mergulho na piscina natural completamente vazia e ficarmos por lá como se se tratasse de uma piscina particular. A rocha ao meio da piscina, a água transparente e a vista, tanto para a serra como para a tradicional aldeia, são as características que completam a experiência perfeita.

Praia da Ocreza

Perto da aldeia de Sobral Fernando encontramos a Praia da Ocreza que embora seja um local magnifico não nos cativou na hora do mergulho. Contudo o açude enorme que atravessa o Rio Ocreza e toda a zona envolvente é cativante e relaxante que, pelo facto de ser um local pouco frequentado, nos permitiu ficar a apreciar de um belo momento em pleno contacto com o melhor que a natureza tem para oferecer.

Parque Fluvial de Azenhas dos Gaviões

A poucos minutos do centro de Vila Velha de Ródão encontramos um local que acreditamos não ser muito conhecido até porque o achamos pouco estimado. O local não é o mais adequado para ir a banhos, nem se quer tem uma entrada facilitada para a água, mas gostamos sobretudo do sossego do lugar e, claro, da paisagem. Existem mesas, cadeiras e estrutura para fazer grelhados pelo que o achamos mais indicada para a realização de uma refeição do que para ir a banhos, mas de qualquer maneira é um belo sítio para passar um bom bocado.

Castelo Branco

Aldeia de Xisto de Sarzedas

A natureza que nos acompanha na vossa viagem pela Beira Baixa encanta-nos, mas adoramos descobrir as tradicionais aldeias que ali e acolá despontam no meio das montanhas. A aldeia das Sarzedas é daqueles exemplos de aldeias acolhedoras que esperávamos encontrar, em que a hospitalidade das suas gentes se sente no trato e na forma como interagem connosco. A melhor forma de conhecer esta aldeia é passear pelas suas ruas sem destino e com o desenrolar do percurso encontraremos naturalmente os locais que sempre associamos a estas históricas aldeias, como o pelourinho, a fonte da vila ou a igreja matriz.

Na aldeia do Sesmo, a poucos quilómetros da aldeia das Sarzedas, encontra-se outra praia fluvial, a Praia Fluvial do Sesmo que, por infelicidade nossa, nas duas únicas vezes que por lá passamos tinha sempre pouca água na piscina fluvial. Por estar sempre com pouco caudal e algo degradada na zona envolvente, tornou-se uma das praias que menos gostamos da Beira Baixa.

Praia Fluvial de Almaceda

A Praia Fluvial de Almaceda é um dos bons exemplos do trabalho exemplar que a freguesia tem desenvolvido no aproveitamento dos seus cursos de água e das suas zonas envolventes. A qualidade da água é inegável e as condições da piscina também. Para completar existe uma zona de relvado enorme com boas sombras, balneários, casas de banho, parque de merendas, parque infantil e um campo de futebol. Uma praia que dispõe de todas as infraestruturas para um dia bem passado.

Barragem da Marateca (Barragem de Santa Águeda)

Embora não exista nenhuma praia fluvial associada à Barragem de Santa Águeda, conhecida por muitos como Barragem da Marateca, a verdade é que é um local muito procurado no verão para um dia de praia. O ambiente é tranquilo e por se tratar de uma albufeira ainda grande existe muito espaço para as pessoas permanecerem, não existindo por isso um grande aglomerado de pessoas na mesma área. Não é vigiada, mas a praia não tem águas muito profundas na entrada, contudo por não ser uma praia classificada deveremos ter sempre alguma atenção e conhecimentos de natação. Esta barragem é igualmente muito procurada para a prática de pesca desportiva e para caminhadas.

Parque do Barrocal

No centro de Castelo de Branco, em novembro de 2020, foi inaugurado o Parque do Barrocal, o local ideal para uma caminhada em pleno contacto com a natureza mesmo no meio da cidade. Um espaço integrado nos territórios do Geoparque Naturtejo Mundial da UNESCO corresponde a uma paisagem granítica única, com rochas originárias do interior da terra que se estima terem mais de 310 milhões de anos. As condições geológicas únicas associadas à biodiversidade que por ali prosperam tornam o Parque do Barrocal um local único. Com diversos trilhos, com passadiços e mirantes extraordinários torna-se um passeio incrível e que nós aconselhamos.

Cais Fluvial dos Lentiscais

Nas margens do rio Pônsul está localizado o Cais Fluvial dos Lentiscais, local de partida da embarcação turística “Balcon Del Tajo” onde num passeio marítimo podemos conhecer e navegar na zona do Tejo Internacional. Além dessa possibilidade, o cais está dotado de espaço para piqueniques, com uma vista extraordinária para o leito do rio e a sua zona circundante.

Baloiço do Castelo Velho

No cimo da Serra da Gardunha, na freguesia de Louriçal do Campo, está instalado o Baloiço do Castelo Velho onde, para além de podermos baloiçar, podemos desfrutar de uma vista incrível por toda a região da Beira Baixa, nomeadamente sobre a Barragem de Santa Águeda, Monsanto e toda a paisagem serrana que a envolve. Atualmente, com a sucessão de baloiços que tem surgido, tem havido algum descontentamento com estas construções, mas nós temos apreciado e, muito, as iniciativas. Este baloiço em particular merece todo o nosso destaque porque a paisagem é verdadeiramente incrível.

Como chegar até ao Baloiço do Castelo Velho?

Para poder baloiçar no Baloiço do Castelo Velho é necessário percorrer longos quilómetros numa estrada de terra batida. O caminho é perfeitamente possível de percorrer a pé, mas nós não o fizéssemos porque embora deva ser uma experiência incrível, parece ser igualmente bastante cansativa. Felizmente o caminho é acessível a automóveis ligeiros, a estrada de terra batida encontra-se em excelentes condições. Nós iniciamos a subida perto do Colégio de São Fiel e seguimos serra acima e não tivemos nenhum percalço.

Idanha-a-Nova

Praia Fluvial da Albufeira Marechal Carmona

No concelho de Idanha-a-Nova localiza-se a Barragem de Idanha, também conhecida como Barragem Marechal Carmona, barragem construída durante o Estado Novo em 1946. Embora a sua construção tivesse como objetivo a produção hidroelétrica e atividades de regadia, atualmente é pelo turismo que este pacífico lugar chama a atenção.

A albufeira é enorme e nela está instalada a Praia Fluvial da Albufeira Marechal Carmona onde, embora não tenha as condições de apoio de outras, oferece uma tranquilidade inigualável. Pela boa temperatura da água, é um dos locais mais apetecíveis para ir a banhos, mas é também o local ideal para a prática de deportos náuticos.

Esta barragem tornou-se ainda mais conhecida por ser o local onde se realiza o Boom Festival, que é normalmente desenvolvido durante a lua cheia de agosto. Nas redondezas existe ainda o Parque de Campismo de Idanha-a-Nova que é uma excelente opção de hospedagem para quem tenciona aproveitar este local magnifico.

Monsanto

Qualquer roteiro que se preze pela Beira Baixa tem obrigatoriamente de passar por Monsanto, a conhecida Aldeia Mais Portuguesa de Portugal e uma das Aldeias Históricas de Portugal. As citações que a coroam são incentivos mais do que suficientes a uma visita.

Num lugar inóspito, no topo de um conjunto de rochedos graníticos, assim nasceu esta aldeia. Conhecer Monsanto é vaguear pelas suas ruas de empedrado e deixar-se envolver pela beleza das casas graníticas que vivem, muitas delas, com blocos graníticos às costas a desafiarem a sua resistência. Seguindo por entre as ruas rumo ao topo encontrará o Castelo de Monsanto, a 758 metros de altitude, onde terá uma das vistas mais incríveis da Beira Baixa.

Penha Garcia

A escassos quilómetros de Espanha surge Penha Garcia, uma vila que é a verdadeira fusão entre a natureza e o património histórico. No alto de uma penha a olhar para a paisagem raiana está o Castelo de Penha Garcia, com a sua virtuosidade a desafiar os horizontes. Numa posição privilegiada foi mote de fixação por motivos defensivos ao longo de séculos e séculos histórias.

Continuando a nossa busca por praias fluviais, ou piscinas fluviais, em Penha Garcia encontramos a Praia Fluvial do Pego, uma das mais idílicas da Beira Baixa. Limitada por altos muros de pedra esta pequena piscina fluvial é alimentada pelo Rio Ponsul, por uma cascata lindíssima. Embora paisagisticamente incrível, o espaço não é muito grande e nos meses de verão a elevada procura acaba por tornar o espaço reduzido.

Dica: Percurso Pedestre Rota dos Fósseis (PR3/3KM)

Os icnofósseis de Penha Garcia são uma das raridades do seu território e conhecer os famosos fósseis presentes nas rochas quartzíticas vale bem a pena. O percurso é simples, cerca de 3km em formato circular, que inicia e termina no Largo do Chão da Igreja.

Idanha-a-Velha

A Beira Baixa é uma longa história secular, em que as Aldeias Históricas são a prova firmada da longevidade deste território. Idanha-a-Velha é uma das aldeias mais antigas, onde a sua fundação remonta ao século I a.C., tendo sido na altura conhecida como “Egitânia”. Entre romanos, muçulmanos até chegar aos cristãos, muitas pessoas fizeram a história desta fantástica aldeia. Conhecê-la é um mergulho direto na história e uma forma incrível de nos conectarmos com o nosso maravilhoso património.

Penamacor

Praia Fluvial da Meimoa

A Praia Fluvial da Meimoa é outro dos bons locais para se refrescar nos dias quentes de verão. Localizada na aldeia da Meimoa esta praia não apresenta um enquadramento paisagístico que impressione, ao contrário da maioria das praias da região, mas dispõe sem dúvida nenhuma das melhores infraestruturas de apoio. Além de um bar que se encontra aberto todo o ano, parque de merendas, WC’s, dispõe ainda de um campo de futsal, campo de futebol de praia e a possibilidade de alugar gaivotas ou canoas.

Um dos destaques desta praia é a Ponte Romano-Filipina da Meimoa que atravessa a ribeira da Meimoa. Uma ponte construída entre os séculos XIV e XVI sobre uma ponte pré-existente desde da época romana.

Zona Balnear do Meimão

Na Barragem da Meimoa podemos encontrar outra maravilha para os veranistas, a Praia Fluvial do Meimão. Seja em tempos de pandemia ou não uma das vantagens desta praia é a sua extensão, podendo ficar em qualquer lado das margens sem necessitar de ficar na zona das piscinas flutuantes, zona onde costuma concentrar mais pessoas. A envolvência natural é incrível e as condições também. Nas imediações da praia irá encontrar boas zonas de sombra, um bar com restaurante, piscina para miúdos e graúdos, bem como uma prancha de saltos. Quem quiser pernoitar existem bungalows mesmo encostados à praia.

Praia Fluvial “O Moinho” (Benquerença)

A poucos metros do centro da aldeia de Benquerença está localizada a Praia Fluvial “O Moinho”, uma praia adorada pelos caravanistas, dada a existência de uma área de serviço para autocaravanas mesmo nas imediações da praia.

A paisagem é maravilhosa, como na larga maioria das praias da região, e as condições de apoio são igualmente boas. Com uma piscina enorme, boas zonas de sombra, parque de merendas e um bar de apoio estão reunidas as condições para um excelente dia de praia.

Centro Histórico de Penamacor

Aproveite o início da manhã ou os finais de tarde para conhecer a tradicional Vila Madeiro, Penamacor, para ir ao encontro do importante legado histórico da Beira Baixa. No seu alto está localizado o Castelo de Penamacor que desempenhou um papel crucial na manutenção da segurança desta vila raiana, mas dê também oportunidade a todo o centro histórico e conheça: os antigos Paços do Concelho, o Pelourinho, a Igreja de São Tiago e o Jardim da República.

Beira Baixa | Onde dormir?

Hotel Santa Margarida

O Hotel de Santa Margarida, localizado no município de Oleiros, é um hotel moderno com 23 quartos espaçosos e com todas as condições para uma excelente estadia. Existe ainda um SPA e piscina para descansar depois de um dia de caminhadas pelo incrível território da Beira Baixa. O pequeno-almoço é farto e é servido em formato buffet onde difícil vai ser escolher o que tomar. Sem dúvida uma das melhores opções para pernoitar em Oleiros.

Moinho do Maneio

A nossa história de amor pelo Moinho do Maneio começa à chegada! Seguimos pela estrada regional R346 que liga Espanha a Penamacor e o GPS mandou-nos virar à direita por uma estrada de terra batida que continua por uns metros ainda consideráveis até chegar a um conjunto de casas no meio da única coisa que verdadeiramente importa, a Natureza. À chegada encontramos a hospitalidade da D. Anabela, que nos mostrou a casa em que íamos pernoitar e toda área envolvente que está incrivelmente bem decorada. Ao fundo passa o Rio Bazágueda, onde podemos ir a banhos ou fazer canoagem, tem uma piscina de água salgada, um trampolim, animais, onde os burros são o destaque, e claro a famosa bolha onde podemos adormecer a olhar para as estrelas. Um espaço com muito bom gosto onde, para além de um alojamento, é uma verdadeira experiência.  

Catraia Hotel Rural

Na localidade de Catraia Cimeira, no concelho de Proença-a-Nova nas proximidades de algumas das praias fluviais mais bonitas da Beira Baixa, está localizado o Catraia Hotel Rural. Um espaço moderno, incrivelmente bem decorado onde somos recebidos com extrema simpatia, que nos deixou logo à vontade e com boas dicas para explorar a região. Os quartos são amplos e com impecáveis condições de higiene. O pequeno-almoço é divinal e o que destacamos foi o simples facto de que quando nos deslocamos até à sala de refeições a mesa já se encontrava preparada e repleta de produtos deliciosos. No exterior existem duas lindíssimas piscinas, uma para adultos e outra para crianças, um bar e um jardim de muito bom gosto.

Beira Baixa | Onde comer?

Adega dos Apalaches

A Adega dos Apalaches é uma referência gastronómica da região da Beira Baixa e em particular do concelho de Oleiros. Uma aposta clara na gastronomia típica onde o cabrito estonado é a figura de proa num restaurante que o confeciona com uma mestria inigualável. Esta foi a nossa segunda passagem pela Adega dos Apalaches e desta vez não viemos para o cabrito estonado, mas sim para o rodízio de petiscos. Na primeira vez entrou para a lista dos nossos restaurantes favoritos, na segunda passagem confirmou as nossas elevadas expetativas. Fomos servidos pelo simpático e atencioso Sr. Nelson que tratou de nos trazer petiscos atrás de petiscos e todos eles divinais. Se há sítio de paragem obrigatória na Beira Baixa é sem dúvida a Adega dos Apalaches.

Casa ti’Augusta

Comer bem na Beira Baixa é tarefa fácil, os pratos típicos são tantos e tão deliciosos que torna-se fácil encontrar restaurantes de excelência. Na aldeia de xisto da Figueira tivemos outra grande oportunidade de saborear os produtos típicos da região, desta vez num ambiente incrível, numa casa de xisto alegoricamente decorada. À mesa pedimos dois pratos típicos: afogado da boda, um prato tipicamente utilizado nos casamentos da região que é semelhante à chanfana mas confecionada com vinho branco e o plangaio com couves a monte que é um género de trouxa recheada com farinheira e carne retirada dos ossos do espinhaço. Ambos pratos tradicionais e muito deliciosos.

Dois Pinheiros

Na vila de Penamacor encontramos um restaurante de traços despretensiosos, mas com um interior acolhedor onde abunda objetos decorativos tradicionais. À mesa não arriscamos muito até porque estávamos tão esfomeados que escolhemos automaticamente um bife. Fomos presenteados com um bife com alecrim tenro e saboroso que estava nem muito bem passado nem malpassado, exatamente como tínhamos solicitado. As sobremesas estavam igualmente boas e saímos do Dois Pinheiros com as energias repostas depois de um dia cansativo de descobertas.

Leia também

4 comentários

Luís Cabral 01/06/2021 - 15:43

Bom trabalho esse da Beira Baixa. Boas dicas que certamente irei aproveitar.
Parabéns e felicidades!

Responder
pontodepartida 01/06/2021 - 19:06

Obrigada pelo seu feedback Luís, ficamos muito felizes em saber! 🥰 Temos a certeza que vai adorar conhecer a Beira Baixa, é uma região apaixonante 😍 Tudo a correr bem!

Responder
Antonio Jose 07/06/2021 - 10:52

Gostei da amostragem da Beira Baixa.
Pena minha que não tenha referências GPS (hoje super utilizado) a fim de que o visitante mais facilmente vá ter aos locais referidos.
Mas a sua obra está muito boa. Parabéns

Responder
pontodepartida 07/06/2021 - 22:45

Olá António. Os locais que não têm referência das coordenadas é porque se colocar o respetivo nome no GPS vai lá ter diretamente, nos casos em que isso não acontece colocamos sempre as coordenadas. Agradecemos a sua opinião pois pode ser a de muitos outros leitores, desta forma vamos começar a identificar cada local com as respetivas referências GPS. Ainda assim, queremos reforçar que sempre que tiver alguma questão ou dúvida em relação aos locais que partilhamos basta entrar em contacto connosco, estamos sempre disponíveis para ajudar 😊
Muito obrigada e tudo a correr bem!

Responder

Faça um comentário