fbpx

Budapeste, o que visitar? Guia de 2 dias

por Fábio Santos

Budapeste, a capital que nasceu da junção de duas cidades. De um lado temos Buda de outro temos Peste, mas o encanto está de ambos os lados! Uma cidade em harmonia com o moderno e o antigo, onde qualquer turista independentemente da sua preferência, não terá as suas expectativas desfraldadas. Energia, alegria e muita vida sente-se em cada metro percorrido em uma cidade historicamente marcada por desgraças. O domínio nazi e o controlo soviético tornaram o século passado o período mais negro da história da cidade que durante anos viveu períodos de grandiosidade e excelência que o Império Austro-húngaro lhe tinha oferecido. A cidade esteve em crescendo durante longos anos, forçaram-na a cair, mas depressa se levantou! É essa cidade com história, repleta de bons e maus momentos que nos promete ensinar mais do que qualquer manual.   

Ao longo do artigo deixamos as nossas dicas de locais a visitar, através de um roteiro de 2 dias e ainda algumas preciosas ajudas na organização da viagem.

Budapeste | O que fazer?

Considerada o Melhor Destino Europeu em 2019, Budapeste é uma cidade em que motivos para a visitar não faltam certamente. Uma capital fervilhante, jovem e repleta de locais requintados que certamente lhe irão agradar. Há quem lhe chame “Paris do Leste” pela dimensão das suas boulevards, mas Budapeste dispensa qualquer comparação, tem argumentos mais do que suficientes para ser visitada pelas suas qualidades. Possui uma história própria riquíssima, marcada pelo período nazi e posteriormente pelo domínio da União Soviética até 1991, tem ainda um património arquitetónico vasto que o legado do Império Austro-húngaro deixou e tem ainda uma vida noturna estonteante.

Quais são as atividades a fazer em Budapeste?

  • Relaxar nas Termas de Szechenyi ou Gellért

Budapeste é uma cidade cheia de alcunhas, uma delas é “Cidade dos Banhos”, porque a cidade está literalmente em cima de um lençol de águas termais e o aproveitamento dessa dádiva divina originou a construção de diversas termas. Por isso os banhos termais são uma das grandes atrações de Budapeste existindo diversos locais onde os pode realizar destacando-se: Termas de Gellért ou de Szechenyi.

  • Atravessar as pontes de Budapeste

Uma das coisas que mais gostamos de Budapeste é a sua zona ribeirinha e claro está as suas pontes. A mais conhecida é a Ponte das Correntes, possivelmente por ser a primeira, mas a Ponte da Liberdade, Ponte Elizabeth e Ponte Margarida também são donas de um design bastante atrativo.

  • Realizar um passeio de Barco no Danúbio

Tanto de dia como de noite realizar um passeio de barco no Danúbio é uma das melhores formas de conhecer Budapeste, numa perspetiva muito mais privilegiada. Para quem é fã de passeios de barco irá adorar esta experiência.

  • Aproveitar a noite nos Ruin Pubs

A noite em Budapeste é de cortar a respiração, é verdadeiramente vibrante, e uma das suas imagens de marca são os bares que nasceram da recuperação de alguns edifícios que se encontravam em ruínas. Os Ruin Pubs são uma ideia de tal modo vencedora que tem se multiplicado pelas capitais europeias.

  • Perceber as diferenças entre Buda e Peste

Há quem chame a Budapeste “Duas Cidades” e muito por culpa do Danúbio que sempre se atravessou no caminho entre Buda e Peste, distância só colmatada pela Ponte das Correntes no século XIX. Do lado de Buda, na parte montanhosa estão localizadas as habitações da nobreza e grandes construções medievais. Do lado de Peste estão as elegantes construções, a maior parte dos serviços e da agitação da cidade. Caminhar pelas ruas de Buda e de Peste é a melhor forma de conhecer a história atribulada desta cidade.

  • Conhecer a gastronomia húngara e os seus sabores

A gastronomia é sempre uma excelente forma de conhecer um país, uma cultura. Os sabores da Hungria são maioritariamente picantes e com bastante alho. O prato mais conhecido é o Goulash, uma sopa de carne com paprika e legumes.

  • Ir à Ópera

Um dos grandes marcos da cultura húngara é precisamente a ópera! Se tiver oportunidade dirija-se até à Ópera Estatal Hungria e assista ao vivo a um verdadeiro espetáculo. Os preços são acessíveis e podem ser comprados no próprio dia e além disso pode conhecer a lindíssima sala dourada.

Budapeste | Dicas

Embora Budapeste seja uma cidade acessível e bastante cosmopolita deixamos algumas dicas que acreditamos que podem facilitar a logística da viagem.

  • Qual a melhor altura do ano para conhecer Budapeste?

Budapeste é uma cidade que pode ser visitada durante todo o ano, mas os meses que aconselhamos são os de Primavera (março-junho) ou no Outono (setembro-novembro) por serem meses menos quentes, mas com pouca probabilidade de precipitação e menor afluência turística. O Inverno costuma ser rigoroso, nevando por vezes e o Verão é bastante quente, embora seja nos meses (junho-agosto) que Budapeste costuma receber mais turistas.

  • Como chegar a Budapeste?

Existem várias companhias a realizar atualmente voos diretos de Lisboa, Porto ou Faro para Budapeste. A Wizz Air é uma companhia com voos económicos e que parte de qualquer um dos aeroportos portugueses rumo à capital húngara. A TAP também realiza voos diretos para Budapeste. É uma questão de análise de preços e disponibilidade.

  • Transporte do Aeroporto até ao centro de Budapeste

O aeroporto de Budapeste (Liszt Ferenc International Airport) fica a cerca de 20 quilómetros do centro da cidade. As opções para realizar o trajeto até ao centro são as seguintes:

    • Autocarro 200E + Metro (Método Popular)

Uma das formas mais recomendadas e económicas é através de um misto entre o Autocarro 200E + Metro. O autocarro parte do aeroporto (funciona 24h por dia) e chega até à estação de metro Kőbánya-Kispest (linha M3) onde depois pode escolher parar no ponto da cidade que seja mais conveniente. O bilhete custa Ft350 (1€), atenção apenas ao horário do metro que funciona apenas entre as 05:00h e as 23:00h. Mais informações no site responsável pela gestão dos transportes de Budapeste.

    • Autocarro 100E

Este autocarro público, 100E funciona todos os dias entre 05.00h e a 1.20h e costuma partir do aeroporto de 20 em 20 minutos. O autocarro tem várias paragens, mas a mais popular e central é Deak tér onde depois pode caminhar ou utilizar outro transporte até ao seu destino final. O preço do bilhete é Ft900 (2,50€) e o trajeto demora cerca de 45 minutos.

    • Táxi

O táxi é a forma mais cara, mas também mais cómoda de chegar ao centro de Budapeste, o preço costuma variar entre os 20€-25€ e a maneira mais fácil de os encontrar é à saída do aeroporto.

    • Transfer

Uma maneira igualmente confortável de realizar o percurso é através do serviço de transfer oficial do aeroporto, o MiniBud. As reservas podem ser realizadas online com antecedência ou à chegada e os preços são a partir de 7€ por pessoa, dependendo do local em que pretende ficar.

  • Como se deslocar em Budapeste?

Budapeste é uma capital relativamente pequena e acreditamos que facilmente realiza a maioria dos percursos a pé. Contudo para distâncias muito grandes pode ser benéfico recorrer aos transportes públicos.

A melhor opção é o metro de Budapeste, o segundo mais antigo da Europa inaugurado em 1896. Dispõe de quatro linhas,a estação central é Deák tér Ferenc e funciona das 4h às 23h. O bilhete único custa Ft350 (cerca de 1€).

  • Moeda

A moeda oficial da Hungria é o florim húngaro (HUF) e os locais mais indicados para trocar as moedas são as casas de câmbio localizadas no centro da cidade. Em termos de câmbio, 100 florim corresponde a 0,28 cêntimos [2021]. Aconselhamos a trocar alguns euros por florins ainda no aeroporto em Portugal para utilizar nos primeiros gastos em Budapeste.

  • Budapest Card

O Budapest Card é uma excelente opção para quem tenciona entrar em mais do que uma atração paga e além disso inclui utilização ilimitada nos transportes públicos de Budapeste. Existem cartões para utilização de 1 a 5 dias.

Budapeste | Roteiro 2 dias

Já a madrugada ia longa quando finalmente chegamos à cidade, sonolentos e famintos tivemos a sorte de encontrar um restaurante de refeições rápidas aberto às 4h da manhã, foi uma refeição simples, mas tendo em conta a fome em que nos encontrávamos foi melhor do que caviar. A noite foi longa, mas o dia que estava para vir seria ainda maior! Às 9h da manhã estávamos cheios de energia, não pelo descanso da noite, mas sim pela curiosidade.

De salientar que ficamos hospedados em Peste e que realizamos todos os percursos a pé, tanto no primeiro dia como no segundo. Budapeste é uma cidade pequena, em comparação com as grandes capitais europeias, sendo perfeitamente possível realizar os trajetos a pé sem que fique completamente exausto ao final do dia. Ficamos em Budapeste durante dois dias e é suficiente para conhecer os principais pontos de interesse, contudo se dispor de 3 dias consegue desfrutar desta bela capital muito mais calmamente.

Budapeste | 1º dia

Mercado Central de Budapeste

Iniciamos a nossa visita a Budapeste, como iniciamos tantas outras férias em Portugal, pelo mercado da cidade. O Mercado Central de Budapeste está localizado na Praça Fővám tér, perto da Ponte da Liberdade e salta à vista pela sua arquitetura diferenciadora, com a sua fachada repleta de tijolos e telhado colorido. O interior é acolhedor e continua a impressionar pela sua arquitetura que embora seja única é ofuscada pelas bancas cheias dos melhores produtos, desde verduras, carnes, peixes e até mesmo antiguidades.

Atenção: o Mercado Central de Budapeste fecha ao domingo.

Rua Váci

Nas imediações do mercado está aquela que é a rua pedonal mais conhecida e concorrida de Budapeste, a Váci utca ou Rua Váci. Esta rua de grande dimensão liga o Mercado Central de Budapeste à animada Praça Vörösmarty e é a principal rua comercial da cidade onde poderá encontrar lojas das principais marcas, muitos restaurantes e bares.

É uma rua cheia de animação que costuma ser muito procurada, por esse motivo os preços praticados são um pouco mais altos do que nas restantes zonas da cidade. Contudo os preços praticados em Budapeste, bem como em toda a Hungria, são ligeiramente mais baixos em comparação às restantes cidades europeias.

Grande Sinagoga de Budapeste

Conhecer o Bairro Judeu e a sua história é ficar a conhecer de perto uma das culturas que formam a população húngara e também um dos episódios mais negros da história da Hungria.

Durante a Segunda Guerra Mundial os nazis tornaram os arredores da Sinagoga de Budapeste um gueto judeu que mais tarde se viria a tornar num campo de concentração. Muitos judeus partiram desta região para campos de extermínio. De salientar que na época do Holocausto cerca de 30% da população húngara era judia.

A Grande Sinagoga de Budapeste, localizada na Rua Dohány é uma das maiores sinagogas do mundo, apenas atrás do Templo Emanu-El em Nova Iorque. Pode conhecer melhor a Sinagoga e a história da cultura judia na Hungria através de uma visita guiada.

Dicas:

Horário: Junho a outubro, das 10:00 às 19:30 horas (sextas até 16:30) | Novembro a fevereiro, das 10:00 às 15:30 horas (sexta até 13:30) |Março a maio, das 10:00 às 17:30 horas (sexta às 15:30) | Sábado, fechada.

Preço: Adultos: Ft3000 (€8,40) | Estudantes: Ft2000 (€5,60) | Crianças de 6 a 16 anos: Ft800 (€2,30) | Menores de 6 anos: entrada gratuita.

Basílica de São Estevão

Continuando a nossa caminhada em direção à Praça da Liberdade encontramos a enorme Basílica de São Estevão, a construção mais alta de Budapeste e a principal basílica da Hungria. A sua construção conclui-se em 1905 e é um belo exemplo do estilo neoclássico, que fascina tanto pela fachada exterior como pela ornamentação do seu interior.

A maior relíquia da Igreja é a mão direita mumificada de Santo Estevão, primeiro rei e santo padroeiro da Hungria no século IX. Estevão foi responsável pela organização do reino húngaro e grande impulsionador do cristianismo na Hungria que o levaria mais tarde a ser canonizado pela Igreja Católica.

Horário: De segunda a sexta, das 9:00 às 17:00 horas. | Sábados, das 9:00 às 13:00 horas. | Domingos, das 13:00 às 17:00 horas.

Preço: Basílica: entrada gratuita | Cúpula: Ft500 (€1,40) | Tesouro: Ft400 (€1,10)

Um dos principais atrativos desta basílica é a subida aos terraços da cúpula onde é possível apreciar de uma das melhores vistas panorâmicas de Budapeste.

Sapatos nas margens do Danúbio

De seguida fomos caminhando até às margens do Rio Danúbio, um dos maiores rios da Europa, e para nosso espanto encontramos um memorial de sapatos nas suas margens. Após pesquisa descobrimos o seu atroz significado, uma vez que o seu propósito é fazer-nos lembrar um dos episódios mais negros da história da humanidade. Durante a ocupação nazi, foram executados grupos de judeus nas margens do Rio Danúbio onde caiam diretamente para rio sendo depois os corpos transportados pela sua corrente. Antes do fuzilamento eram obrigados a descalçarem-se para que os sapatos fossem recolhidos para mais tarde serem utilizados. Um memorial chocante que nos obriga a recordar um dos períodos mais negros e injustos da nossa história.

Parlamento de Budapeste

Seguindo pelas margens do Danúbio somos presenteados pelo majestoso Parlamento de Budapeste. Este edifício neogótico, inaugurado em 1896 é um dos mais antigos edifícios governamentais da Europa e também um dos principais símbolos de Budapeste. A sua arquitetura riquíssima que apresenta detalhes requintados teve como inspiração o Palácio de Westminster em Londres.

A beleza exterior é conjugada com a riqueza e bom gosto do interior tanto do ponto vista arquitetónico como das peças que a compõem. O Parlamento de Budapeste é tão grande que só se consegue ter uma boa perceção da sua magnitude ao avistá-lo do outro lado do Danúbio, em particular em alguns dos vários miradouros espalhados em Buda.

Horário: As visitas são obrigatoriamente guiadas e estão disponíveis em húngaro, inglês, francês, hebreu, alemão, russo, italiano e espanhol. Os horários variam de acordo com o idioma e, no caso do inglês, há visitas às 10:00, 12:00, 13:00, 14:00 e 15:00 horas

Preço: Adultos pertencentes à UE: Ft3500 (€9,90) | Menores 18 anos pertencentes à UE: Ft1900 (€5,30) | Menores de 6 anos: entrada gratuita

Avenida Andrássy

Budapeste viveu anos áureos, principalmente no final do século XIX e início do século XX, onde todas as construções eram repletas de um glamour e de uma grandiosidade só ao alcance das grandes capitais europeias da época como Paris ou Londres. A Avenida Andrássy é outro dos bons exemplos do esplendor da belle époque húngara, uma boulevard que atravessa a região de Peste literalmente ao meio sendo conhecida por muitos como os Champs-Élysées de Budapeste.

A melhor forma de conhecer esta magnifica avenida é a pé para poder admirar calmamente das grandes lojas de moda mundiais que por ali se instalaram bem como de algumas das mais luxuosas construções da cidade, como a Ópera Nacional Húngara, o Museu Fransz Liszt ou a Faculdade de Belas Artes.

Praça dos Heróis

Quando chegamos ao fim da Avenida Andrássy chegamos à Praça dos Heróis, onde todo o conjunto de monumentos foi considerado Património da Humanidade pela Unesco. O conjunto de estátuas presentes na praça, chama-se na realidade o Memorial do Milénio, tendo sido construído entre 1896 e 1929 como forma de comemorar o milésimo aniversário da fundação da Hungria.

As estátuas representam os cavaleiros líderes das antigas sete tribos responsáveis pela fundação do país. O principal cavaleiro, colocado em posição central, é Árpad considerado o responsável pela unificação das tribos e consequente fundação do reino da Hungria.

Városliget

Imediatamente atrás da Praça dos Heróis está uma das entradas para o principal parque da cidade, o Városliget. Considerado o parque público mais antigo do mundo, aberto à população desde o início do século XIX, é um espaço ajardinado com lagos e excelentes zonas de sombra, excelentes para quem deseja repousar e descansar nas suas lindíssimas zonas verdes.

Na zona do Városliget pode ainda visitar o Museu de Belas Artes Budapeste, o Jardim Zoológico de Budapeste e Jardim Botânico e no centro do jardim o chamativo Castelo de Vajdahunyad.

Termas Szechenyi

Ainda em pleno Parque Városliget encontramos um dos locais mais famosos de Budapeste e possivelmente um dos grandes responsáveis pelo crescimento do turismo na cidade, as Termas Szechnyi.

As termas foram inauguradas em 1913 e dispõem de 15 piscinas (3 grandes ao ar livre e 12 pequenas no interior), existindo também espaços para saunas e salas de massagem. As qualidades terapêuticas das águas associada à sua temperatura que pode alcançar cerca de 40 graus nas piscinas interiores, são o grande atrativo. As águas são tão quentes que mesmo nos dias de inverno, onde por vezes neva na cidade, as pessoas continuam confortavelmente a banhar-se nas suas águas.

Para além das águas, a arquitetura do edifício também impressiona com o seu estilo neo-barroco que apresenta ainda excelentes condições de higiene.

Horário: Todos os dias, das 06:00 às 22:00 horas.

Preço: Ingresso diário com cabine: Ft6000 (€16,90) | Ingresso com cabine durante o fim de semana: Ft6200 (€17,50)

Budapeste | 2º Dia

O segundo dia foi maioritariamente destinado a conhecer a outra margem do Danúbio, Buda, um dia passado pelo histórico castelo e pelos melhores miradouros de Budapeste.

Ponte das Correntes

Iniciámos o nosso segundo dia pelas margens do Danúbio para realizarmos a mítica travessia desta feita do lado de Peste para Buda, pela Ponte das Correntes (Széchenyi Lánchíd). A ponte liga o centro de Peste à base da colina do castelo e para além da sua utilidade também se destaca a sua arquitetura, em ferro-fundido esverdeado, e claro os leões esculpidos logo na entrada.

A Ponte das Correntes foi inaugurada apenas em 1849 e serviu como o primeiro passo para a unificação de Budapeste, que viria a acontecer poucos anos depois. Durante a Segunda Guerra Mundial, no Cerco de Budapeste já no fim da guerra, a ponte foi na sua maioria destruída durante os ataques. Contudo a sua reconstrução manteve os seus traços originais.

Várhegy – Colina do Castelo

Os nossos olhos, conforme atravessamos a Ponte da Corrente, estavam sempre apontados ao Castelo de Buda, mas sabíamos que para lá chegar de alguma forma tínhamos de superar a enorme colina que se encontra mal acabemos de passar a ponte.

Para subir a Colina do Castelo (Várhegy) existem duas formas: ou através do funicular Budavári Sikló ou a pé pela Escadaria Rea (Király lépcső). Nós decidimos subir pelas escadas e foi a escolha mais acertada, numa subida em que o entusiasmo das vistas que fomos encontrando mal nos voltávamos para o rio e para Peste superou o nosso cansaço físico.

Dicas: Funicular de Budapeste

Como referimos o método mais cómodo de chegar ao Castelo de Buda é através do funicular de Budapeste localizado na Praça Clark Ádám Ter perto da Ponte das Correntes. O funicular funciona entre as 7.30h e as 22h e o preço é Ft1200 (3,40€)

Castelo de Buda

Do lado de Buda, a estrela do cartaz é sem dúvida o Castelo de Buda ou melhor o extenso complexo palaciano repleto de construções luxuosas. Do conjunto de magníficos edifícios estão localizadas algumas das mais interessantes atrações da cidade, como a Galeria Nacional da Hungria, Museu de História de Budapeste e a Biblioteca Nacional Széchényi.

No interior do castelo irá deparar-se com apontamentos arquitetónicos cheios de charme, como a Fonte de Matias, a Estátua de Turul ou os seus enormes e bonitos pátios. Dos terraços existentes na região do castelo poderá ainda obter uma das vistas mais deslumbrante de Budapeste, para o Danúbio, para a Ponte das Correntes e também para o magnânimo Parlamento Húngaro. Se tiver oportunidade de admirar essa fantástica paisagem ao pôr-do-sol, melhor ainda!

Bastião dos Pescadores

Ainda abrigados pelo Castelo de Buda fomos em direção ao Bastião dos Pescadores, o miradouro mais famoso de Budapeste. Construído em 1902, de estilo neogótico possui sete torres que à semelhança das estátuas na Praça dos Heróis representam as sete tribos Magiares responsáveis pela fundação da Hungria. O nome, Bastião dos Pescadores, deve-se ao facto de terem sido os pescadores que defenderam a muralha do castelo durante a Idade Média.

Para nós, foi sem dúvida as melhores vistas que tivemos de Budapeste, podendo observar tanto o Danúbio, Ilha Margarida, grande parte de Peste e o Monte Gellért. Foi um dos nossos locais favoritos e facilmente vai encantar-se por Budapeste ao admirá-la em toda a sua extensão.

Igreja de Matias

A escassos metros de distância do Bastião dos Pescadores está localizada a Igreja de Matias (Mátyás-templom), uma igreja lindíssima datada do século XI. Embora seja essa a data dos vestígios mais antigos, o que na verdade torna esta construção tão singular são as calamidades que lhe ocorreram, na sua maioria destruições em diversas invasões. As reconstruções que se seguiram em períodos diferentes originaram a mistura de estilos arquitetónicos que observamos hoje em dia: românico, gótico, barroco. Possivelmente, é por essa junção que a Igreja de Matias é tão deslumbrante.

Horário: Segunda a sexta: 9:00 às 17:00 horas | Sábados: 9:00 às 12:00 horas. | Domingos, das 13:00 às 17:00 horas.

Preço: Adultos: Ft1800 (€5,10) | Maiores de 60 anos e estudantes: Ft1200 (€3,40). | Crianças menores de 6 anos: entrada gratuita.

Ilha Margarida

Após conhecermos a região de Buda voltamos a descer até à beira do Danúbio, desta vez para conhecer a sua ilha que está localizada mesmo no meio do rio. A Ilha Margarida compõe uma enorme zona de lazer, com imensos espaços verdes e zonas dedicadas à prática desportiva.

O local ideal para descomprimir e sentar nos seus longos relvados, ou então alugar uma bicicleta ou quadriciclo e conhecer os encantos e os recantos desta enorme área verde. Esta ilha é o local escolhido pelos locais para uma caminhada ou corrida, sendo muito concorrida principalmente ao final da tarde. Um dos locais em que podemos observar de perto a rotina dos habitantes de Budapeste.

Budapeste | Onde dormir?

Como qualquer grande capital europeia, opções de onde dormir em Budapeste não faltam, existindo hotéis para todo o tipo de carteiras. Um dos aspetos positivos da capital húngara relativamente à maioria das grandes capitais é que os alojamentos são ligeiramente mais económicos sendo possível encontrar por menos de 50€ quartos duplos com bastante qualidade. Se por outro lado decidir algo ainda mais económico como hostels há preços a partir de 10€.

A localização é um dos principais fatores na hora de escolher onde dormir, a nossa preferência em Budapeste é dormir do lado de Peste por ser onde estão localizados a maioria dos serviços, restaurantes, bares e cafés. Nesse caso, aconselhamos a ficar hospedado perto da Ponte das Correntes, Parlamento ou da Avenida Andrássy.

Hotéis Low Cost

Avenue Hostel (16€)

Hostel One Budapest (23€)

Budapest Garden Hostel (24€)

Pal’s Mini Hostel (24€)

Centric Lifestyle Apartments (28€)

Hotéis com boa relação qualidade/preço

Medos Hotel (40€) 

Danubius Hotel Gellért (50€) 

Maverick City Lodge (37€) 

Full Moon Budapest (45€)

Amber Gardenview Studios (50€)

Hotéis de Luxo

Four Seasons Hotel Gresham Palace Budapest (500€) 

Aria Hotel Budapest (350€)

Anantara New York Palace Budapest (150€)

The Ritz-Carlton (440€)

Budapest Marriott Hotel (210€) 

Budapeste | Orçamento

Budapeste é uma cidade económica em comparação com as grandes capitais europeias pelo que umas férias de dois ou três dias não são muito dispendiosas. Uma visita em que permaneça dois dias os custos são os seguintes:

  • Viagens Ida e Volta: 100€ por pessoa (aconselhamos o Skyscanner para encontrar as melhores tarifas)
  • Estadia: 2 noites, 100€ um quarto duplo de boa qualidade e bem localizado
  • Outras despesas: 150€ por pessoa (refeições, transportes, monumentos e bares), logicamente que neste caso as despesas podem oscilar consoante o consumo.
    • Preço Médio por refeição: 20€/pessoa caso pretenda uma refeição completa com entrada, prato, copo de vinho e sobremesa.
  • Transfer Aeroporto-Centro de Budapeste: Cerca de 20€/pessoa, ida e volta, através do MiniBud (se optar pelos transportes públicos pode economizar neste quesito, sendo possível fazer por 2,50€

Pérola do Danúbio, Paris do Leste não há alcunhas suficientemente ilustrativas da beleza desta cidade. Uma cidade repleta de gente jovem que lhe dá a energia e o positivismo merecido, é um local de cultura, de arte, mas a diversão e uma grande quota de modernismo faz com que esta cidade não esteja perdida na história. Se alguém quiser desenhar uma cidade nova, que a inspiração seja Budapeste! A repetir sem margem para dúvida.

Leia também

Faça um comentário