fbpx

Coimbra, o que visitar? Guia completo

por Fábio Santos

Coimbra, cidade dos estudantes, dos amores, das canções, das saudades e das lembranças. Coimbra é uma cidade que está no coração de Portugal e dos portugueses. Outrora habitada por árabes e romanos, acredita-se que foi nesta cidade que D. Afonso Henriques nascera, tornando-a capital de Portugal anos mais tarde . Um legado histórico que permanece ainda vivo nas ruas coimbrãs!

Uma cidade banhada pelo rio Mondego que guarda a mais maravilhosa história de amor entre Pedro e Inês e cidade que acolheu a primeira universidade portuguesa, e uma das mais antigas do mundo, peculiaridade que a tornou Património Mundial da UNESCO. As capas negras, a mística académica e o seu incontornável lado boémio tornam Coimbra uma cidade vibrante e em constante animação.

Neste roteiro de 2 dias queremos dar-vos a conhecer os locais fantásticos que pertencem a esta histórica cidade e que merecem a sua visita. 

Coimbra | Dicas Úteis

  • Como chegar?

Coimbra fica entre as cidades do Porto e Lisboa pelo que chega à cidade sem grande transtorno. De automóvel, através da A1, a viagem dura cerca 2.30h a partir de Lisboa e 1h do Porto. É ainda possível chegar a Coimbra de comboio (consulte as tarifas e horários no site da CP) ou de autocarro através da Rede de Expressos. Caso opte pelo comboio deverá sair na estação Coimbra B e mudar para outro comboio até Coimbra A que se localiza na Baixa da cidade.

  • Quando visitar?

Quase todas as alturas do ano são boas para visitar Coimbra, mas nós aconselhamos a evitar as estações mais frias e com maior probabilidade de precipitação. Assim diríamos que entre Abril e Setembro são as épocas ideais para conhecer a cidade.

Caso pretenda assistir às intensas e tradicionais festas académicas, os principais eventos são no início do ano letivo, Outubro ou Novembro, momento em que se realizada a Latada ou em Maio durante a Queima das Fitas, evento de encerramento do ano letivo com muitos concertos, cortejos e sobretudo muita animação.

  • Onde dormir?

Na nossa última passagem por Coimbra, em início do plano de desconfinamento da Covid-19, optamos por pernoitar num apartamento que possibilitasse a realização das refeições em casa, uma vez que os restaurantes ao fim-de-semana estariam fechados. A nossa opção foi o Sophia Residences e não podia ter corrido melhor. Um estúdio espaçoso, limpo e com todos os equipamentos que necessitávamos para cozinhar e conservar alimentos. Além disso está localizado no centro de Coimbra, nas proximidades da Igreja de Santa Cruz.

Em termos de hotéis um dos mais procurados para pernoitar é o Hotel Oslo, um hotel bem localizado e com todas as condições de conforto. Caso pretenda comemorar uma data especial ou pretender ficar alojado num hotel mais requintado a melhor opção é a Quinta das Lágrimas.

  • Onde comer?

Coimbra é uma cidade em que se come com enorme qualidade por isso encontrar um sítio para comer bem é bastante fácil. Não sabemos qual a sensação das outras pessoas que visitam a cidade, mas para nós dá-nos a sensação que Coimbra é uma cidade que incita ao petisco e à imperial. Por isso as nossas sugestões são o Fangas Mercearia Bar e o Dux – Petiscos e Vinhos, restaurantes com um variado leque de tapas e petiscos com um ambiente jovem e tranquilo.

O Zé Manuel dos Ossos é uma referência da restauração da cidade, tanto pelos pratos como pela simpatia. O prato mais conhecido é a sua entrada, os ossos com carne saborosa com sabor a alho. Um restaurante onde encontrará generosos pratos a bom preço.

Coimbra | O que não posso perder?

A cidade de Coimbra é um berço de tradições e um gigantesco memorial da nossa história que se descobre a cada recanto. Ruas centenárias, construções milenares, jardins pomposos e costumes seculares são os motivos que nos trouxeram a esta magnífica cidade.

  • Universidade de Coimbra – Alta e Sofia

A alcunha por que todos nós conhecemos Coimbra é por “Cidade dos Estudantes” e tudo se deve à sua Universidade, a mais antiga de Portugal e uma das mais antigas do mundo. Fundada em 1290, a Universidade de Coimbra é uma referência em Portugal e conhecê-la é uma obrigatoriedade na passagem pela cidade. Conheça o seu Palácio Real onde a universidade se instala e envolva-se na mística envolta em sabedoria e excelência que culmina na deslumbrante Biblioteca Joanina. Os costumes, os rituais e as tradições académicas estão por toda a parte, deixe-se envolver.

  • Descobrir a trágica história de amor entre D. Pedro e Inês de Castro

Reviver o amor trágico de Pedro e Inês é uma das grandes ambições desta cidade. Visite a Quinta das Lágrimas e para além de descobrir os locais onde se desenrolaram os episódios trágicos desta bela história, conheça também as árvores centenárias, as ruínas, as fontes e os recantos incríveis de todo o jardim.

  • Fado de Coimbra

O Fado de Coimbra é único no mundo. Conhecido como fado de serenata é também uma das mais marcantes tradições académicas. Para fãs de música, e não só, conhecer o Fado de Coimbra é uma boa forma de conhecer o espírito apaixonante desta cidade. Muitos dos poemas utilizados no Fado de Coimbra são da autoria de famosos poetas que por Coimbra estudaram e perpetuam a sua passagem com letras que perduram até hoje. O amor, as saudades e a universidade são os temas que marcam o fado coimbrã. As nossas sugestões para quem pretende assistir a um espetáculo ao vivo são no Fado ao Centro, perto na Torre Almedina ou no centro cultural àCapella.

  • Coimbra para os pequeninos

Para pequenos e graúdos conhecer o Portugal dos Pequenitos costuma ser uma experiência que todos adoram. Uma excelente forma para os mais jovens associarem a brincadeira à aprendizagem dos mais marcantes episódios da história de Portugal. Uma experiência para todas idades é também a visita ao Exploratório – Ciência Viva Coimbra.

  • Passeios pelas margens do Mondego

Andar à beira rio é sempre uma atividade prazerosa e em Coimbra é ainda melhor. Coimbra tem três parques encostados ao Mondego: Parque Manuel Braga, Parque do Choupalinho e o Parque Verde do Mondego e todos eles são excelentes para dar um passeio, fazer exercício ou então sentar numa esplanada e aproveitar da tranquilidade do rio. Caso as temperaturas estejam propícias pode ainda ir a banhos na Praia Fluvial do Rebolim.

Coimbra | Roteiro de 2 dias

1º Dia

1 – Quinta das Lágrimas

Coimbra é uma cidade de amores e com grande tendência para os amores proibidos. Iniciámos a nossa visita à cidade, por um dos lugares mais emblemáticos, os Jardins da Quinta das Lágrimas, para conhecer um dos episódios mais apaixonantes e fatídicos da nossa história. Conhecer estes jardins é ter na memória a maravilhosa história de amor de Pedro e Inês e ir em busca dos locais que marcam a lenda, a Fonte dos Amores e os seus canais.

Curiosidade: História de D. Pedro e Inês de Castro

Para a visita ser bem aproveitada contamos um pouco da história D. Pedro e Inês de Castro para que compreenda o simbolismo dos Jardins da Quinta das Lágrimas.

Pedro, filho de D. Afonso IV (Rei de Portugal), era casado com D. Constança que não dispensava os cuidados da sua aia castelhana, Inês de Castro. Por obra do destino D. Pedro e Inês apaixonaram-se e marcavam encontros secretos nos jardins da Quinta das Lágrimas. Quando o seu relacionamento secreto foi descoberto originou enormes constrangimentos na corte. Como forma de resolver esse problema, D. Afonso IV ordenou o exilio de Inês num castelo na fronteira castelhana. Porque D. Afonso IV se opunha? Inês era filha de nobre da Galiza, e o rei temia que D. Pedro fosse influenciado pela família da amada a escolher como herdeiro um filho dela.

Após algum tempo, D. Constança morre durante o parto e Pedro viúvo trouxe Inês de volta para viver consigo nos Paços de Santa Clara. Esta atitude provocou enorme exaltação na corte e uma enorme instabilidade sendo o desagrado do povo evidente. Ainda assim, alheios à critica Pedro e Inês tiveram três filhos.

Para pôr um fim à história amorosa, D. Afonso IV tenta arranjar outro casamento a D. Pedro mas a paixão dele por Inês era inabalável e recusou sempre. Assim sendo D. Afonso IV teve ideia de executar Inês. Segundo a lenda Inês foi assassinada na Fonte dos Amores e que ainda hoje nela correm o sangue de Inês (o sangue do seu corpo terá originado uma mancha de algas vermelhas nas rochas, visível ainda hoje) e as lágrimas de Pedro.

Entre lendas e verdades, mas com muito misticismo envolvido, o mais importante é desfrutar da diversidade botânica dos seus jardins e dos spots exóticos que nele podemos encontrar. É uma visita obrigatória numa passagem pela cidade de Coimbra.

Dica: Quinta das Lágrimas

Morada: Rua António Augusto Gonçalves

Horário: De 16 março a 15 novembro – de terça-feira a domingo: 10h00-19h00 | de 16 novembro a 15 março – de quinta-feira a domingo: 10h00-17h00 | Encerra em Janeiro

Preço: 2.5€

2 – Mosteiro de Santa Clara-a-Nova

A nossa segunda paragem foi o Mosteiro de Santa Clara-a-Nova construído no século XVII para substituir o antigo mosteiro medieval de Santa Clara-a-Velha que era vítima das inundações periódicas do rio Mondego.  Com a mudança do mosteiro foi igualmente transladado o túmulo da Rainha Santa Isabel, que nele se encontrava sepultada por sua indicação. No momento da transladação verificou-se que o seu corpo estava incorrupto, ou seja, o corpo aparentava estar embalsamado sem se ter utilizado qualquer método para isso. Há quem lhe chame um milagre, outros um simples facto científico.

Dica: Mosteiro de Santa Clara-a-Nova

Morada: Calçada de Santa Isabel

Horário: Das 9h00 às 18h30 (Verão) | Das 9h00 às 17h00 (Inverno)

Preço: 5€

3 – Mosteiro de Santa Clara-a-Velha

Nas margens do Rio Mondego está localizado o Mosteiro de Santa Clara-a-Velha, um belo exemplar do gótico português inaugurado no final século XIII por Dona Mor Dias e refundado já no século XIV pela Rainha Isabel II.

A história deste mosteiro está incontornavelmente relacionada com o rio Mondego uma vez que a sua construção nas proximidades do rio deve-se sobretudo à mais-valia que a presença da água seria para a comunidade monástica. Contudo as cheias recorrentes tornaram-se insuportáveis tendo sido por isso criado no Monte da Esperança o Mosteiro de Santa-Clara-a-Nova para sua substituição. Hoje, durante a visita ao mosteiro é possível conhecer as ruínas e o espólio arqueológico conventual.

Dica: Mosteiro de Santa Clara-a-Velha

Morada: Rua das Parreiras

Horário: Terça-feira a domingo, das 10:00 às 18:00

Preço: 4€

4 – Portugal dos Pequenitos

Na nossa passagem por Coimbra, devido à Covid 19, o Portugal dos Pequenitos encontrava-se encerrado e pareceu-nos estar em obras de recuperação. Quem viaja com crianças a passagem é obrigatória, mas até os adultos não ficam indiferentes a este espaço. No seu interior estão pequenas réplicas dos principais monumentos portugueses e de alguns momentos emblemáticos da história de Portugal. Uma forma lúdica e divertida dos mais jovens conhecerem um pouco mais do nosso país.

Dica: Portugal dos Pequenitos

Morada: Largo Rossio de Santa Clara

Horário: De 1 Março a 1 Maio: 10h00-19h00 | De 1 Junho a 30 Setembro: 09h00 – 20h00 |De  1 Outubro a 28 Fevereiro: 10h00 – 17h00

Preço: 9.95€ para adultos (preços reduzidos para crianças)

5- Praia Fluvial de Rebolim

Após um bom primeiro contacto com a margem esquerda do Mondego, e como estávamos de carro e pretendíamos fazer um pequeno piquenique, decidimos ir até à outra margem até à Praia Fluvial de Rebolim.

O tempo não era convidativo a banhos, e não era esse o nosso objetivo, mas Rebolim é um excelente sítio para repousar e nos meses de verão é também uma praia fluvial vigiada. O local tem ainda mesas e cadeiras de madeira que tornam mais fácil a realização de piqueniques.

6 – Universidade de Coimbra

No fim das energias repostas fomos ao encontro do principal atrativo da cidade, a Universidade de Coimbra. Para nossa infelicidade a visita à universidade não era ainda permitida devido à Covid 19, ficando desde já marcada uma próxima visita a Coimbra para colmatar este contratempo. Contudo já tivemos oportunidade de visitar a Universidade de Coimbra há uns anos atrás, antes de termos criado o nosso blog.

A Universidade de Coimbra é a mais antiga de Portugal e uma das mais antigas e reconhecidas universidades da Europa. Foi fundada em 1290 por D. Dinis, tendo inicialmente funcionado em Lisboa, é transferida para Coimbra definitivamente em 1537 por ordem de D. João III. Desde 2013 que a universidade está classificada como Património Mundial pela UNESCO.

Entramos na Universidade de Coimbra pela Porta Férrea e chegamos ao Paço das Escolas onde se consegue observar as magnificas construções que se encontram em redor. Este espaço, antes de pertencer à universidade de Coimbra, foi o primeiro Paço Real de Portugal, local onde viveram os primeiros reis de Portugal. Paço Real esse, ainda hoje assim denominado, encontra-se decorado com uma lindíssima arcada chamada Via Latina.

Numa visita à Universidade de Coimbra é obrigatória a visita à Biblioteca Joanina, uma das bibliotecas mais bonitas do mundo onde, para além da vasta coleção de livros, destacam-se os tetos pintados e a decoração emadeirada com detalhes em talha dourada. Conhecer também a Torre da Universidade e a Capela de São Miguel.

Dica: Universidade de Coimbra

A visita à Universidade custa 10€ e inclui o acesso à Biblioteca Joanina, à Capela de São Miguel, à Sala dos Capelos, à Sala do Exame Privado e à Sala das Armas. O bilhete deve ser adquirido no Paço das Escolas na Loja da Universidade. No bilhete será colocado um horário referente à entrada na Biblioteca Joanina, uma vez que só abre de 20 em 20 minutos com número de visitantes controlado.

7- Museu da Ciência da Universidade de Coimbra

Fora do Paço das Escolas encontra-se o Museu da Ciência instalado no Laboratório Chimico e no Colégio de Jesus. No Laboratório Chimico encontra-se um museu interativo onde é possível realizar pequenas experiências e onde é contado o funcionamento do ensino de química em Portugal. No Colégio de Jesus encontram-se detalhados alguns dos feitos dos investigadores da história natural da Universidade de Coimbra e importantes coleções de diversas áreas da ciência, desde da zoologia, física e paleontologia.

8 – Escadas Monumentais

Bem próximo do Museu da Ciência estão as famosas Escadas Monumentais, contruídas durante o Estado Novo na década de 50 com o objetivo de ligar a Praça D. Dinis à Praça da República. No centro da Praça D. Dinis de frente para a Rua Larga, encontra-se uma estátua de D. Dinis, fundador da Universidade de Coimbra.

A escada tem cinco lances com 25 degraus cada, num total de 125 degraus e, associadas a estas escadas, estão diversas lendas. Segundo consta o número de lances de escadas deve-se ao número de anos dos antigos cursos e diz-se que o número de vezes que se tropeça nas escadas equivale ao número de cadeiras que se iria reprovar a cada ano.

As Escadas Monumentais são um dos locais mais utilizados na praxe coimbrã, sendo famosa a praxe em que os veteranos obrigam os caloiros a subir e descer as escadas vezes sem conta ao mesmo tempo em que contam o número de degraus.

9 – Aqueduto de São Sebastião

Ao virarmos à esquerda, após as Escadas Monumentais, encontramos o Aqueduto de São Sebastião, mais conhecido como Arcos do Jardim. O atual aqueduto remonta a um primitivo aqueduto romano que abastecia a parte alta de Coimbra, mas a traça atual é obra do final do séc. XVI no reinado de D. Sebastião.

10 – Jardim Botânico da Universidade de Coimbra

Passando o aqueduto chegamos ao Jardim Botânico, para nós o espaço verde mais bonito da cidade, que conta com cerca de 13 hectares de extensão. Um espaço com excelente bom gosto, onde se destacam a Alameda das Tílias, a Estufa Grande e o Fontanário. Na Mata do Jardim Botânico, num clima mais tropical, existe ainda um lindo bambuzal onde no seu interior existe a pequena capela de São Bento. Um excelente espaço para um passeio relaxante onde ficamos boquiabertos com a diversidade botânica e com o bom gosto da conceção do jardim.

11 – Baloiço do Seminário Maior de Coimbra

Junto ao Jardim Botânico localiza-se o Seminário Maior de Coimbra, um edifício de uma arquitetura diferenciadora que apresenta vários espaços dignos de visita onde claramente se destaca a Igreja da Sagrada Família.

Recentemente foi instalado um baloiço nos jardins do Seminário, numa localização soberba mesmo de frente para o rio Mondego que serpenteia a cidade. Embora a correria aos baloiços atualmente seja estonteante, no momento da nossa visita não existia qualquer fila e podemos ficar tranquilamente a apreciar da paisagem e do momento. O baloiço tem espaço para duas pessoas se sentarem e é o local ideal para uma foto incrível para as redes sociais.

12 – Penedo da Saudade

O parque e miradouro do Penedo da Saudade é um dos locais mais ligados à tradição académica. Ao longo do miradouro estão presentes várias quadras comemorativas que os estudantes ao longo dos anos foram por ali colocando. Uma tradição iniciada em 1855 que se mantém até à atualidade. Este lugar está associado também à história de amor de Pedro e Inês, onde segundo consta, era neste miradouro que D. Pedro chorava a morte de Inês de Castro. 

13 – Jardim da Sereia

Na Praça da República, um dos locais mais boémios de Coimbra, muito frequentada pelos estudantes, está localizado o Jardim de Santa Cruz, popularmente conhecido como o Jardim da Sereia.

Uns jardins bem agradáveis para um passeio onde, para além de toda a biodiversidade, destaca-se logo na entrada a cascata que apresenta três estátuas que representam: a fé, a caridade e a esperança. No final do dia entregue-se ao espírito boémio da cidade e beba uma cerveja numa das muitas esplanadas existentes ao longo da Praça da República. A recompensa perfeita para um dia repleto de descobertas.

2º Dia

1º – Jardim da Manga

Começamos o nosso segundo dia por um lugar que se encontrava nas proximidades do nosso alojamento, o Jardim da Manga. Um lugar encantado que é um dos principais postais da cidade de Coimbra. O jardim é conhecido também como o Claustro da Manga uma vez que era um dos claustros do Mosteiro de Santa Cruz. A fama do lugar deve-se à sua peculiar arquitetura com as suas construções circulares interligadas rodeadas de pequenos tanques. Um local bem fotogénico.

2º – Praça 8 de Maio

Seguimos até à magnânima Praça 8 de Maio onde está localizada uma das construções mais sumptuosas da cidade, o Mosteiro de Santa Cruz. A fundação remonta ao ano de 1131 e a característica que o torna tão emblemático é o facto de ser o local onde estão sepultados os dois primeiros reis de Portugal, D. Afonso Henriques e D. Sancho.

Embora a origem do edifício seja do século XII os vestígios do período românico já são bastante reduzidos uma vez que as necessidades de ampliação alteraram bastante a estrutura original, nomeadamente a alteração realizada no século XVI por D. Manuel I. Essas marcas estão claramente visíveis no pórtico manuelino e nas torres laterais presentes na fachada da igreja. Um local que é um verdadeiro exemplar da excelência arquitetónica do nosso património religioso.

Ao seu lado encontram-se o edifício da Câmara Municipal de Coimbra e o Café Santa Cruz, local de encontro das principais personalidades da cidade ao longo dos anos.

Dica: Mosteiro de Santa Cruz

Morada: Praça 8 de Maio

Horário: De segunda a sábado das 9h30 às 17h30 | Domingos das 9h30 às 17h30

Preço: Igreja de acesso gratuito | Sacristia, sala do capítulo e claustro: 2.5€

3º – Praça do Comércio

Continuamos pela Rua Visconde da Luz e descemos nas Escadas de São Tiago até à Praça do Comércio. Durante muitos séculos, conforme o nome diz, esta praça foi o grande centro comercial da cidade e local onde se realizava o mercado da cidade. Com o passar dos anos a praça foi perdendo preponderância encontrando-se atualmente algo degradada existindo ainda alguns estabelecimentos que dão ânimo e lembrança desta importante praça.

Na praça estão localizados alguns edifícios bastante interessantes, a Igreja de São Tiago, Igreja de São Bartolomeu e também o Pelourinho de Coimbra.

4º – Rua Ferreira Borges

Chegamos então à Rua Ferreira Borges, uma rua pedonal onde estão implantados vários edifícios históricos, na sua maioria relacionados com atividades comerciais. Por ser uma das ruas mais míticas de Coimbra, e uma das mais agitadas, é o local escolhido para os artistas de rua mostrarem os seus dotes.

É nesta rua que pode encontrar o Edifício Chiado, que hoje abriga o Museu da Cidade de Coimbra, um edifício que impressiona pela sua arquitetura peculiar.

5º – Largo da Portagem

Descemos a rua até ao Largo da Portagem onde se ergue uma estátua de Joaquim António de Aguiar, importante político coimbrense do tempo da Monarquia Constitucional.

O melhor desta praça são as suas esplanadas que a ocupam inteiramente, são o local ideal para descansar um pouco e colocar a conversa em dia. A nossa sugestão é a Pastelaria Briosa, uma pastelaria de referência da cidade de Coimbra que é sem dúvida o local ideal para provar os deliciosos doces regionais.

6º – Porta Barbacã e Torre de Almedina

Era tempo agora de abandonar a Baixa de Coimbra e seguirmos em direção à Alta de Coimbra, entrando na parte mais antiga da cidade. Ao virarmos em direção à subida passamos pela Porta Barbacã, um arco quebrado que corresponde à segunda cintura muralhada da cidade, construída pela necessidade de aumentar a sua defesa.

Para entrar na Coimbra histórica temos de passar a primeira cintura de muralhas através da Porta e Torre Almedina. Esta passagem funciona como um pórtico de entrada no passado, entrando na zona da cidade mais íntima e com muitas histórias para contar.

7º – Rua Quebra Costas

As Escadarias do Quebra Costas são um ponto de grande simbolismo histórico, são as escadas que ligam o Arco da Almedina à Sé Velha. Quando ultrapassamos as torres que pertenciam à antiga cerca entramos no interior do antigo castelo medieval e as marcas desse período estão lá todas. É a partir daqui que encontramos as ruelas estreitas, as pequenas praças, as ruas inclinadas e todo aquele clima apertado e de proximidade que associamos às cidades medievais.

Nesta rua encontra-se uma homenagem à mulher coimbrã, a Tricana de Coimbra. Uma figura mítica da cidade desde os finais do século XIX, muito presente na literatura portuguesa bem como nos fados coimbrões.  Conhecida por vestir saia preta, um pequeno avental, blusa, lenço na cabeça e o Xaile traçado ao ombro, trazendo sempre um cântaro de barro que usava para ir ao Mondego buscar água.

8º – Torre do Anto

Por curiosidade e visto que era nas proximidades fomos conhecer outra das torres que integravam a cerca medieval, desta vez a Torre do Anto que estava localizada a meio da maior das suas encostas. Pela localização privilegiada tem uma vista bem interessante para o Mondego.

No caminho até à torre passamos por um arco bastante interessante, o arco do Palácio Sub-Ripas, um palácio construído sobre uma antiga torre militar que compunha a muralha. Um arco fotogénico que comprova o semblante medieval que ainda se comprova nesta zona da cidade.

9º – Sé Velha de Coimbra

Continuamos a subir em direção a uma das principais construções da cidade, a Sé Velha. De estilo românico, originária do século XII, esta igreja foi construída por ordem de D. Afonso Henriques e a obra foi concebida pelo Mestre Roberto, responsável também pela construção da Sé de Lisboa, daí as claras semelhanças entre ambas.

A Sé Velha de Coimbra é um edifício imponente de linhas simples que se assemelham à de um castelo, existindo até uma torre que sobressai do restante edifício. No interior, além da possibilidade de visitar a igreja, pode também conhecer os seus claustros que até têm um pequeno jardim na zona central.

Dica: Sé Velha de Coimbra

Morada: Largo da Sé Velha

Horário: Todos os dias das 10h00 às 18h00 exceto quinta feira (das 10h00 às 16h00)

Preço: 2,5€

10º – Largo São Salvador

Subindo pelas apertadas ruas coimbrãs encontramos o Largo de São Salvador onde se destaca a Igreja de São Salvador e, segundo consta, a sua fundação é anterior a 1064, uma verdadeira sobrevivente do tempo.  

É nestas ruas, na proximidade do largo, que estão localizadas as mais antigas Repúblicas de Coimbra. Estas ruas contam séculos de história da vida estudantil, onde as residências por aqui existentes são um dos símbolos da mística universitária de Coimbra que se vive até aos dias de hoje.

11º – Museu Nacional Machado de Castro

Poucos metros depois do Largo de São Salvador encontra-se o Museu Nacional Machado de Castro, arriscamos dizer que é o museu mais importante da cidade de Coimbra. O museu está localizado nas antigas instalações do Paço Episcopal de Coimbra e no seu interior encontra-se exposto um vasto espólio de arte sacra.

No piso inferior do museu encontram-se as galerias do criptopórtico romano, espaço este que anteriormente suportava o Fórum Aeminium.

Dica: Museu Manuel Machado

Morada: Largo Dr. José Rodrigues

Horário: 3ª a domingo: 10h00-18h00 | Entrada gratuita aos domingos e feriados para residentes em Portugal

Preço: 6€ (Adultos) | Menores de 12 anos: grátis

12º – Sé Nova de Coimbra

Em frente ao museu encontramos a Sé Nova de Coimbra, um dos locais de passagem obrigatória para os amantes de turismo religioso. A Sé foi inaugurada no final do século XVII pelos jesuítas e foi em 1772 que a sede episcopal foi transferida da Sé Velha para este edifício bem mais espaçoso.

É neste espaço que acontece um dos dias mais solenes da Queima das Fitas de Coimbra, a cerimónia da Bênção das Pastas.

Dica: Sé Nova de Coimbra

Morada: Largo Feira dos Estudantes

Horário: De terça a sábado das 8h30 ao 12h00 e das 14h às 18h30 | Domingos das 9h00 ao 12h30 e das 17h00 às 19h00 | Fechado às segundas e feriados

Preço: 1€ (museu)

13º – Parques da Cidade

A melhor forma de terminar um dia pela cidade de Coimbra é descer até às margens do Mondego e conhecer os lindos parques da cidade. No momento da nossa visita o Parque Manuel Braga encontrava-se em obras pelo que não o podemos visitar.

Assim seguimos para o parque localizado imediatamente ao lado, Parque Verde do Mondego onde pode encontrar muita animação nos seus restaurantes e bares virados para o rio. Para atravessarmos o rio até ao Parque do Choupalinho escolhemos a Ponte Pedonal Pedro e Inês, uma ponte pedonal que nos brinda com vistas incríveis para a cidade de Coimbra, para o Mondego e também para os parques da cidade.

Coimbra | O que visitar nos arredores?

O distrito de Coimbra é enorme e com excelentes opções para estender a viagem por muitos mais dias. Caso disponha de um tempo extra as opções nos arredores são para todos os gostos, desde praia, montanha ou lugares históricos.

Serra da Lousã

Possível de avistar de alguns dos pontos mais altos de Coimbra, como o Penedo da Saudade, a Serra da Lousã está localizada a poucos quilómetros da cidade. Entre os seus verdejantes montes e vales estão escondidos impressionantes tesouros como algumas das mais bonitas Aldeias de Xisto, praias fluviais, cascatas, trilhos, castelos impressionantes e uma gastronomia de crescer água na boca. Caso tenha possibilidade, acrescente mais três dias ao seu roteiro e conheça a belíssima Serra da Lousã.

Conimbriga

Na vila de Condeixa, a poucos minutos de Coimbra, encontram-se as ruínas romanas de Conimbriga e o seu Museu Monográfico, o mais valioso achado arqueológico de Portugal que de facto impressiona pela sua extensão. Caso disponha de mais um dia considere acrescentar Conimbriga ao seu roteiro.

Mata do Buçaco

A cerca de 30km de Coimbra está localizada a Mata do Buçaco um refúgio natural que guarda um importante património cultural. Ao longo da mata existem mais de 250 espécies de arbustos e árvores, algumas delas com séculos de história. As árvores, na sua maioria, foram plantadas por monges nos séculos XVII e XVIII, chamados Carmelitas Descalçados. Para albergar essa ordem monástica construíram o Convento de Santa Cruz onde, atualmente, no seu lugar está instalado o Palace Hotel do Bussaco.

Penacova

Penacova é um dos tesouros do Mondego. Uma vila à beira rio plantada que foi construída nas encostas ingremes que circundam toda a área. Essa peculiaridade morfológica torna Penacova um destino com excelentes miradouros para admirar a beleza da natureza. Nesta vila tem tudo aquilo que gostamos: miradouros, praias fluviais, moinhos e trilhos pedestres. Uma excelente opção para quem tenciona dedicar mais um dia à região.

Leia também

2 comentários

Luís Cabral 01/06/2021 - 15:59

Vivo em Coimbra e posso sugerir duas dicas de restaurantes que valem a pena:
– O Mercado, situado dentro do Mercado Abastecedor de Coimbra, em Taveiro, onde se come o melhor peixe fresco a preço mesmo baixo, numa ótima relação custo-qualidade, num decor de praia, muito agradável
– Loggia, situado mesmo junto ao Museu Machado de Castro, com um terraço com vista espectácular para a Universidade e para o Mondego, onde se pode tomar uma refeição ou apenas beber um gin tranquilamente ao cair da tarde

Responder
pontodepartida 01/06/2021 - 19:07

Muito obrigada pelas sugestões Luís, pode ter a certeza que na próxima visita a Coimbra não nos iremos esquecer 😃

Responder

Faça um comentário