fbpx

O que fazer em São Miguel? Roteiro de 6 dias

por Fábio Santos

São Miguel, uma pérola flutuante no Atlântico que nos deixou completamente enfeitiçados. Seja pelas lagoas de águas límpidas das caldeiras dos vulcões, pelas cascatas, pelas praias ou pela gastronomia, a ilha de São Miguel tem mais do que motivos para o encantar tanto ou mais do que nos encantou a nós.   

Com os meros 64km de comprimento e com a sua largura máxima de 15km, este pequeno ponto verde no Atlântico esconde lugares fantásticos onde a natureza permanece quase inviolável. A ilha pode parecer pequena em distância, mas acredite que é enorme em quantidade de locais que vai querer conhecer. O roteiro que damos a conhecer é de 6 dias, embora o último dia seja na verdade um meio dia. O inacreditável é que nem uma semana por São Miguel foi suficiente para conhecer todos os locais que pretendíamos.

Fiquem a conhecer as nossas dicas de viagem e roteiro para seis dias recheados de paisagens que jamais apagará da memória.

São Miguel | Dicas

Quando visitar?

A meteorologia em São Miguel é caracteristicamente instável, costuma-se dizer que durante o mesmo dia pode fazer as quatro estações e nós comprovamos que é verdade. A temperatura é geralmente amena, os invernos costumam ter temperaturas que rondam os 15ºC e os dias de verão podem chegar aos 27ºC.

Havendo sempre uma enorme possibilidade de chover durante o verão, é sempre menor do que nos meses de inverno. Por isso consideramos que entre Maio e Setembro são os melhores meses para viajar para São Miguel dada a menor probabilidade de precipitação e de encontrar dias solarengos que vão dar imenso jeito para aproveitar as praias da ilha.

Dica

A meteorologia nos Açores é incerta, tanto que ao mesmo tempo poderá estar a chover numa ponta da ilha e na outra extremidade fazer sol. Por isso, caso não queira ser surpreendido aconselhamos a consultar o site do SpotAzores, que tem webcams dos locais mais turísticos dos Açores.

Devo alugar um automóvel?

Alugar automóvel é crucial para conhecer bem ilha. Com recurso a transportes públicos é praticamente impossível porque não cobre todas as rotas e de táxi ficará muito dispendioso.

Nós alugamos através da Autatlantis e correu muitíssimo bem, reservamos com antecedência para não corrermos o risco de não ter automóvel. Cederam-nos um Opel Corsa com mudanças automáticas que foi superseguro e confortável para as nossas viagens. Normalmente costumamos comparar preços e condições através da Rentalcars, mas acabamos por reservar diretamente na Autatlantis, porque nos tinha sido recomendada e de facto correu tudo bem até na hora de entrega do carro, onde não colocaram qualquer embaraço.

Onde dormir?

Acreditamos que a melhor zona para ficar alojado é Ponta Delgada que, pelo facto de estar localizado na zona central da ilha, conseguimos ir para este ou oeste sem que para isso demoremos muito tempo.

Na nossa passagem por São Miguel pretendíamos explorar o máximo da ilha e por isso apenas necessitávamos de um quarto para pernoitar. Desta forma, escolhemos ficar na Casa do Mercado, num quarto simples que, face ao valor diário (55€/noite), foi o suficiente. O pequeno almoço era deixado à porta do quarto, dentro de um cesto, e podíamos optar por fazer a refeição no quarto ou na cozinha partilhada.  

Onde comer?

Para comer bem em São Miguel não é preciso muita arte nem engenho porque come-se bem em toda a ilha. Embora seja uma ilha e a área não seja enorme, é um sítio com uma enorme diversidade gastronómica onde despontam excelentes pratos, tanto de carne como de peixe ou marisco.

Os pratos e iguarias que não deve perder são os seguintes:

  • Cozido das Furnas, um cozido idêntico ao cozido à portuguesa, mas cozinhado no interior do chão vulcânico que lhe confere um palato completamente diferenciador;
  • Lapas, marisco típico dos Açores que são por norma fritas numa grelha com um molho amanteigado;
  • Bifes, uma das imagens de marca dos Açores são as vacas que pastam ao ar livre em grandes prados verdejantes originando bifes muito saborosos;
  • Peixe, sendo uma ilha, obviamente que a pesca é uma das principais atividades de subsistência e daí salta para a mesa peixe de excelente qualidade;
  • Doces, na hora das sobremesas também existem boas opções: o tradicional Ananás na fruta e para os mais gulosos as Queijadas da Vila (doce de Vila Franca do Campo), as Fofas da Povoação (doce de Povoação) e o Bolo Lêvedo, um pão redondo e baixo usado para sandes e hambúrgueres.

Gastronomia deliciosa, restaurantes impecáveis:

  • Restaurante Associação Agrícola, um dos restaurantes mais famosos de São Miguel e que ficou sem dúvida na nossa memória. O bife de vaca dos Açores é a estrela da casa e pode ser servido apenas grelhado ou então com os diversos molhos, nós comemos o tradicional Bife à “Associação” e adoramos;
  • Tony’s foi a nossa escolha para provar o Cozido das Furnas e adoramos tanto o cozido, como as sobremesas;
  • Tasca, localizado no centro de Ponta Delgada este restaurante funciona maioritariamente em formato de tapas, embora tenha outro tipo de pratos, é uma opção de excelência para provar os melhores sabores de São Miguel;
  • Casa do Abel, localizado na Caloura, um restaurante especializado em bifes de vaca onde encontrará certamente o bife que lhe agrada, seja ele do lombo, vazia ou pojadouro.

Como viajar para os Açores em tempos de Covid?

Viajar para os Açores em época de Covid-19 tem algumas condicionantes, mas nada que o deva preocupar ou condicionar a sua vontade de ir. A melhor forma de se manter a par das condicionantes burocráticas e ter conhecimento de como deve proceder para ter uma viagem segura e com todos os procedimentos em ordem, visite a página do Governo dos Açores.

No planeamento da nossa viagem, e de modo a termos tudo em ordem para podermos seguir para São Miguel, realizamos os seguintes passos:

  • Marcar o teste Covid-19 que tem de ser realizado 72 horas antes do voo. O teste é gratuito sendo o valor do teste comparticipado pelo Governo Regional dos Açores num dos laboratórios existentes na seguinte lista. Os resultados num prazo, por norma, de 24h serão enviados para si e para Direção Regional de Saúde.
  • Após receber o teste negativo deve preencher o Questionário de Avaliação do Risco e Detenção Precoce online que se encontra disponível no site MysafeAzores. No fim de preenchido gerará um código que deve mostrar junto da Autoridade de Saúde no desembarque.

São Miguel | O que visitar?

1º dia

Água de Pau

O nosso primeiro dia por São Miguel era mais curto do que gostaríamos pelo que optamos por conhecer a região costeira nas proximidades de Ponta Delgada. A nossa primeira paragem foi em Água de Pau para conhecer os seus lindos miradouros, o  Miradouro do Monte Santo e o Miradouro da Ponta da Galera na Lagoa. Ansiávamos por ver o mar a ir ao encontro da rocha escura, a rocha vulcânica que resulta do movimento da lava. Foi assim o nosso primeiro contacto com o mar extraordinário dos Açores.

Caloura

Seguimos até à localidade da Caloura, situada no Vale de Cabaços e cujo nome se deve ao facto de estar localizada numa zona onde se acumula muito calor (não podia fazer mais sentido).

O que nos trouxe a Caloura foi exatamente o mesmo que traz até aqui inúmeros turistas, que é a sua costa magnífica de águas límpidas e protegidas por uma enseada gigantesca. O azulão das águas, a natureza que nos rodeia e as condições ótimas da piscina natural de Caloura são os motivos mais do que suficientes para nos fazer apaixonar por este lugar incrível.

Caloura é também o local ideal para provar os peixes frescos da ilha, a nossa recomendação é o Bar Caloura.

Miradouro do Pisão

Em todo o lado, mas em especial em São Miguel, o que nos deixa boquiabertos são os fantásticos miradouros que encontramos um pouco por todo o lado. O Miradouro do Pisão tem uma vista fantástica para o Porto de Pescas e Piscina Natural de Caloura, bem como para o imenso oceano que nos Açores parece ainda mais incrível.

Coordenadas: 37°42’53.1″N 25°29’40.1″W

Praia de Água D’Alto

A pouca distância encontramos duas praias, a Praia de Água D’Alto Pequena e a Grande, ou seja, uma com areal mais curto e outra com areal mais comprido. Comprimentos à parte, são as duas incríveis. E por terras de São Miguel foi o nosso primeiro contacto com praias de areia escura e também com o mar.

As águas tranquilas, a vegetação que percorre as encostas e um final de tarde pouco movimentado convenceram-nos a esticar a toalha e ir a banhos e, para surpresa nossa, a água estava bastante amena para inícios de junho.

Com boas acessibilidades, casas de banho, um areal com 560 metros de extensão e um mar tranquilo e ameno esta praia entrou na lista das nossas favoritas.

Cascata do Segredo

Seguindo pelo trilho pedestre PR 39 SMI – Quatro Fábricas da Luz em Água de Alto encontramos a Cascata do Segredo. Se é segredo estamos a desvendá-lo agora, a verdade é que durante toda a visita permanecemos sozinhos e tivemos o privilégio de ter a lagoa que a cascata forma só para nós. Com uma atmosfera idílica, rodeados de natureza e de uma tranquilidade que o momento nos ofereceu tornou este lugar um dos nossos favoritos da nossa viagem.

Coordenadas: 37°43’17.8″N 25°27’57.7″W

Praia do Poço Largo

A Praia do Poço Largo não é propriamente a praia com as melhores condições para ir a banhos, mas também não era esse o nosso objetivo. Pretendíamos encontrar o melhor local para avistar o Ilhéu de Vila Franca e foi nesta praia que a pequena ilha nos pareceu mais próxima e nos brindou com uma vista excelente.

Dica: Como ir ao Ilhéu de Vila Franca do Campo?

Ir ao Ilhéu de Vila Franca do Campo e ter uma experiência relaxante onde pudéssemos aproveitar das águas espetaculares que existem em seu redor iria demorar cerca de um dia, pelo que decidimos não o fazer nesta nossa primeira passagem por São Miguel.

Contudo para ir deve marcar a sua ida com antecedência reservando o seu bilhete no site oficial ou, caso não o faça, adquirir o mesmo no quiosque de vendas da Marina de Vila Franca do Campo. O ilhéu tem uma lotação de 400 pessoas por dia e as saídas são feitas de hora em hora num trajeto que dura cerca de 10 minutos. Os preços em 2021 é de 7€ para residentes e 9€ para não residentes.

Vila Franca do Campo

Seguimos até Vila Franca do Campo, um dos concelhos mais importantes da região que outrora fora mesmo capital de São Miguel. O concelho é enorme e fomos conhecendo vários pontos de interesse, como as praias e lagoas que pertence ao seu território. Com um passado marcante na história e no desenvolvimento da ilha, decidimos dar um passeio pelo centro histórico.

Num curto passeio encontramos diversas construções que se destacam: Paços de Concelho, a Igreja de São Miguel Arcanjo, Igreja do Senhor Bom Jesus da Pedra e o Jardim Antero de Quental. Um centro histórico pequeno, mas com construções nos seus tons característicos, fachada branca com ornamentações em basalto.

Miradouro e Ermida da Nossa Senhora da Paz

A nossa próxima paragem foi na Ermida da Nossa Senhora da Paz, uma ermida construída no século XVIII que remonta a um templo erguido no século XVI. A localização do primeiro, segundo uma lenda, deve-se ao facto da figura da Nossa Senhora ter surgido a um pastor numa gruta existente no local.

A ermida está localizada a uma altitude de 215 metros e para irmos até ela temos de subir uma imponente escadaria de 100 degraus. Lá no alto temos uma das vistas mais magnificas de São Miguel, onde sobressai o branco das casas de Vila Franca do Campo, a vegetação exuberante e claro o ilhéu de Vila Franca do Campo, rodeado de um azul carregado.

Lagoa do Congro

A Lagoa do Congro foi a primeira que conhecemos na nossa passagem por São Miguel e depois de analisadas todas as que conhecemos esta tornou-se provavelmente a nossa favorita. E é fácil perceber porquê, é que para a conhecer é necessária uma breve caminhada rodeada de densa e fresca vegetação e, quando chegamos à beira da lagoa, tudo é verde, as árvores que a circundam e a própria água.

Esta lagoa, ao contrário das outras, terá sido formada por uma explosão de vapor, ou seja, quando se deu a erupção o magma ao subir encontrou um nível freático e ao contactar com a água originou uma forte explosão. Assim, ao invés das outras lagoas que se localizam no topo do cone vulcânico, a Lagoa do Congro está localizada numa zona relativamente plana.

Dica: Como ir até à Lagoa do Congro?

Seguindo pela estrada EN4-2ª irá encontrar um sinal que indica “Lagoa do Congro” que segue para uma estrada estreita que mais tarde se torna uma estrada de terra batida. Depois de cerca de 900 metros encontra um novo sinal indicativo onde deve deixar o carro e seguir um trilho com cerca de 300 metros até à lagoa.

Coordenadas: 37°45’00.1″N 25°23’59.8″W

2º Dia

Miradouro do Caminho Novo

O nosso principal objetivo do segundo dia era ir até à Lagoa das Sete Cidades e conhecer todos os locais incríveis para termos a melhor vista sobre ela. Entretanto, no caminho entre Ponta Delgada e a Lagoa, encontramos vários locais que vale a pena parar para apreciar.

A primeira paragem foi na localidade de Relva, no Miradouro do Caminho Novo, um miradouro com uma vista para a costa sul de São Miguel e sobre o imenso oceano. Este mirante é utilizado para a observação de baleias, nós bem tentamos, mas não conseguimos decifrar nada no meio de tanto azul. Além da vista maravilhosa, o local está equipado com mesas e churrasqueira para quem desejar fazer um piquenique brindado com uma excelente vista.

Coordenadas: 37°45’31.8″N 25°43’39.3″W

Miradouro da vigia das baleias da Feteira

Um pouco mais à frente encontramos outro motivo para estacionar e ir observar a paisagem, desta feita no Miradouro da Vigia das Baleias da Feteira, mais um miradouro para tentar a sorte na observação das baleias, mas sobretudo mais um lugar magnífico para apreciar a paisagem soberba. Daqui é possível observar além do mar a vila da Feteira e os prados verdes salpicados com as carismáticas vacas. Um miradouro para comtemplar a beleza dos Açores.

Coordenadas: 37°51’05.7″N 25°13’52.3″W

Miradouro do Pico do Carvão

Deixamos a região costeira da ilha para trás e dirigimo-nos à zona interior e alta da ilha. A nossa primeira paragem foi no Miradouro do Pico do Carvão onde se consegue ter uma vista panorâmica, tanto para a costa sul como para a norte de São Miguel. A vista para os pardos verdejantes onde surgem os casarios brancos ora ali ora acolá, é irrepreensível. No momento em que visitamos este miradouro encontramos a neblina típica dos Açores, mas nas abertas conseguimos apreciar de toda a beleza do lugar.

Coordenadas: 37°49’27.6″N 25°44’10.9″W

Ligeiramente mais acima encontrará a Lagoa do Carvão, uma lagoa alojada numa cratera vulcânica e não muito extensa e do outro lado encontrará o Aqueduto do Carvão, que teve como função fornecer água das Lagoa das Empadadas e Canário, até Santa Clara, uma freguesia urbana.

Lagoa das Empadadas e Miradouro do Pico do Paul

O ponto que se seguia no nosso roteiro não o conseguimos visitar e não sabemos bem o porquê. À partida não sabíamos que o acesso a este local era controlado com um horário de abertura e fecho, mas acreditamos que no momento em que pretendíamos visitar estávamos dentro do horário que era suposto estar aberto. O que aconteceu na realidade é que batemos com o nariz na porta ou, na verdade, no portão. Contudo vimos imensas fotos da Lagoa das Empadadas e do Miradouro do Pico do Paul e caso estejam a seguir o nosso roteiro este é o momento certo para visitar, imediatamente a seguir ao Miradouro do Pico do Carvão.

No mesmo local encontra-se ainda outra lagoa, a Lagoa Rasa. Segundo sabemos é possível levar o automóvel até perto das lagoas, mas como a estrada é muito ingrime nos dias de chuva pode ser perigoso porque pode tornar-se muito escorregadia. Não conhecer este sítio foi uma das desilusões da nossa passagem por São Miguel.

Para que não lhe aconteça o mesmo que a nós tenha em atenção o horário de visita:

  • Verão: (último domingo de março ao último domingo de outubro) das 8h30 às 19h em dias úteis e aos fins de semana e feriados das 10h às 19h.
  • Inverno: dias úteis das 8h30 às 15h.

Coordenadas Lagoa das Empadadas: 37°49’30.3″N 25°44’51.9″W

Coordenadas do Miradouro do Pico do Paul: 37°49’35.6″N 25°44’47.8″W

Lagoa do Canário

No Parque Florestal da Mata do Canário a rainha da coroa é a sua Lagoa do Canário, mas toda a envolvência é mística e de uma beleza indescritível. O parque de estacionamento encontra-se à entrada do parque que, embora seja pequeno, existe ainda um bom espaço na berma da estrada para deixar o seu carro. Do estacionamento à lagoa o percurso é curto e pelo caminho encontrará imensas árvores e as típicas flores açorianas, as hortênsias.

No meio daquele ambiente tranquilizador existe a possibilidade de merendar no Parque de Merendas existente no fundo do parque que se encontra equipado com mesas, cadeiras e zona de churrasco.

Coordenadas: 37°50’09.5″N 25°45’34.4″W

Miradouro da Grota do Inferno

Em pleno Parque Florestal da Mata do Canário realizamos uma pequena caminhada até aquele que consideramos o miradouro mais bonito de São Miguel e possivelmente o miradouro mais bonito que visitamos até hoje. Numa caminhada que dura cerca de 15min desde a Lagoa do Canário, subimos até 1000 metros de altitude ao topo do vulcão das Sete Cidades. Daqui é possível avistar a Lagoa das Sete Cidades, a Lagoa Rasa, a Lagoa do Santiago bem como o povoado das Sete Cidades e, em dias com boa visibilidade, até o mar. A vista é maravilhosa com as lagoas a chamar à atenção em simultâneo com a natureza que floriu nas montanhas vulcânicas. Possivelmente o principal cartão-de-visita de São Miguel e um dos momentos que certamente não apagaremos da memória.

Coordenadas: 37°50’34.6″N 25°45’48.0″W

Miradouro da Vista do Rei e Monte Palace Hotel

Seguimos até ao miradouro mais conhecido e procurado de São Miguel, o Miradouro da Vista do Rei. Na verdade tem tudo para ser um dos mais afamados, fácil acessibilidade e uma vista extraordinária sobre a Lagoa das Sete Cidades que está mesmo em frente ao miradouro. A lagoa encontra-se dividida em duas e nas condições climatéricas ideais consegue claramente ver-se a diferença que lhes dá nome: a que está mais perto chama-se Lagoa Verde e a maior e mais distante Lagoa Azul, devido à tonalidade da água.

Coordenadas: 37°50’21.2″N 25°47’41.5″W

Caso pretenda ter ainda uma vista ainda mais privilegiada terá de arriscar a subir aos últimos andares do Monte Palace Hotel. O hotel está em ruínas e visitá-lo não é aconselhável, devido aos riscos de segurança que acarreta. Ouvimos dizer que o hotel foi comprado por um grupo chinês depois de cerca de 30 anos fechado, mas as obras de recuperação ainda não avançaram. Na nossa visita decidimos arriscar conhecê-lo, os portões estavam abertos e existiam vários curiosos nas instalações. A vista é maravilhosa, mas de facto o risco de queda de alguma viga ou bocado de cimento é enorme.

Curiosidade: Monte Palace Hotel

O Monte Palace Hotel é um antigo hotel de 5 estrelas que abriu ao público em 1989 e teve aberto apenas cerca de 19 meses devido à escassez de clientes. O hotel permaneceu fechado e em constante vigilância até 2011 mas devido à falta de pagamento o mesmo ficou completamente ao abandono, tendo sofrido vários atos de vandalismo para além do seu interior ter sido praticamente todo saqueado.

Coordenadas: 37°50’20.1″N 25°47’38.8″W

Miradouro do Cerrado das Freiras

Iniciamos a descida em direção à vila das Sete Cidades, mas não sem antes pararmos em alguns miradouros que se encontram pelo caminho. O Miradouro do Cerrado das Freiras oferece outra perspetiva incrível sobre a Lagoa das Sete Cidades, um pouco mais perto e a menos altitude, mas perfeita para ver a imensidão deste lugar e toda a envolvência natural que torna esta local verdadeiramente extraordinário.  

Coordenadas: 37°51’14.3″N 25°46’32.3″W

Miradouro da Lagoa do Santiago

Perto do Miradouro do Cerrado das Freiras, mas na outra extremidade da estrada, encontramos o Miradouro da Lagoa do Santiago, uma lagoa enorme de tonalidade esverdeada ou amarelada dependendo da incidência da luz. A Lagoa do Santiago está relacionada com a formação vulcânica das Setes Cidades, tem 700 metros de comprimento e chega a atingir 29 metros de profundidade. O verde da vegetação típica e a tonalidade da sua água tornam este miradouro um hino à tranquilidade.

Coordenadas: 37°51’05.7″N 25°46’38.0″W

Sete Cidades

Acompanhados sempre lado a lado com as ruas completamente floridas de hortênsias chegamos às margens da mágica Lagoa das Setes Cidades. Ficamos confusos sobre o melhor local para apreciar esta obra de arte da natureza, se é de cima dos seus miradouros se nas suas margens e olhar em redor e ver as verdes montanhas do cone vulcânico repletas de flores.

Seguimos até ao interior da vila de Sete Cidades para conhecer o seu fotogénico templo, a Igreja de São Nicolau, uma igreja neogótica construída no século XIX que se torna ainda mais incrível com a alameda de criptomérias que embelezam, e muito, o acesso à igreja.

Miradouro da Lomba do Vasco

Abandonamos a vila de Sete Cidades e era momento de iniciarmos a nossa descida em direção ao mar, mas não sem antes pararmos em outro miradouro, o Miradouro da Lomba do Vasco. Com vista para Mosteiros e para os seus famosos ilhéus este miradouro oferece uma vista panorâmica privilegiada para o lado sudoeste da ilha de São Miguel, sendo um local ideal para relaxar e para nos perdermos na imensidão do horizonte.

Coordenadas: 37°52’20.8″N 25°48’44.0″W

Miradouro das Cumeeiras

Se não visitar a Lagoa das Empadadas foi uma enorme desilusão, não conhecer o Miradouro das Cumeeiras por pura aselhice foi outro infortúnio muito grande. Confiamos no GPS e seguimos destino, mas ao depararmo-nos com uma estrada de terra batida com algumas pedras e inclinação, abandonamos a ideia de o conhecer até porque ainda eram alguns quilómetros e já estávamos cansados para o realizar a pé.

Soubemos mais tarde que a melhor forma de conhecer é seguir até à localidade de Pilar e um pouco antes de chegar a Bretanha, perto da Ermida da Nossa Senhora da Boa Nova, existe uma estrada alcatroada que segue sempre em frente até ao miradouro. Nós não o conhecemos, mas segundo várias opiniões tem uma das melhores vistas sobre a Lagoa das Sete Cidades.

Coordenadas: 37°52’48.6″N 25°46’36.0″W

Mosteiros

Ansiávamos pelo mar e seguimos até Mosteiros, uma das vilas balneares mais conhecidas de São Miguel. Começamos pela Ponta dos Mosteiros e seguimos numa breve caminhada até às Piscinas Naturais dos Caneiros, as piscinas oceânicas típicas com todas as condições para um dia em cheio nas águas refrescantes do Atlântico.

O que traz a maioria dos curiosos até aqui é a Praia dos Mosteiros, uma praia de areia preta, águas amenas num mar azulão onde sobressai os ilhéus de Mosteiros que ficam sempre bem numa fotografia. A praia não é enorme, mas tem um areal ainda considerável e é o local ideal para um excelente fim de tarde.

No topo de Mosteiros existe ainda o Miradouro Pico da Mafra onde terá uma vista maravilhosa sobre a vila e sobre o oceano. Mosteiros é uma vila tranquila, onde nada lhe irá faltar e onde consegue ter vistas maravilhosas e um dia de praia em cheio.

Miradouro da Ponta do Escalvado

Seguimos até ao Miradouro da Ponta do Escalvado onde encontramos a melhor vista para costa oeste da ilha, onde conseguimos observar perfeitamente a vila de Mosteiros bem como a Ponta da Ferraria, o local que se seguia no nosso roteiro.

Este miradouro teve uma enorme importância na atividade baleeira, sendo um dos melhores pontos da ilha para avistar baleias ao longe. Nas imediações do miradouro existe até uma pequena casa branca que servia de vigia às baleias.

Coordenadas: 37°52’16.7″N 25°50’28.5″W

Ponta da Ferraria

Ao final da tarde chegamos à Piscina Natural da Ponta da Ferraria, um dos locais mais procurados para os entusiastas de praia ou turismo balnear, tudo por culpa de um fenómeno geológico que torna o local único. Aqui a água é aquecida por vapores vulcânicos e mistura-se com a água fria do mar, numa pequena piscina concorrida por curiosos que, tal como nós, querem aproveitar esta pequena maravilha.

A temperatura das águas variam entre os 18ºC e os 28ºC, por isso é necessário alguns truques para apanhar a água no seu ponto de melhor temperatura. Quando a maré está cheia a água está mais fria, quando a maré está baixa a água está extremamente quente. A melhor hora para tomar banho na Ponta da Ferraria é nas transições entre marés, ora quando sobe ora quando desce.

Coordenadas: 37°51’38.3″N 25°51’13.3″W

Miradouro da Ilha Sabrina

Para admirar a bela da costa e o Farol da Ponta da Ferraria contemplem o mar num excelente final de tarde no Miradouro da Ilha Sabrina.

Coordenadas: 37°51’28.2″N 25°51’02.0″W

3º Dia

Miradouro do Pico da Barrosa

Iniciamos o nosso terceiro dia por conhecer a Lagoa do Fogo e os fantásticos miradouros existentes para a observar. Como vínhamos de Ponta Delgada começamos por ter uma perspetiva da lagoa do ponto mais alto e, possivelmente, também a vista mais completa no Miradouro do Pico da Barrosa. Não fomos os mais afortunados com as melhores condições atmosféricas, mas também não nos podemos queixar, o nevoeiro ia alternando e houve períodos que conseguimos observar a imensidão da lagoa que preenche a totalidade da caldeira vulcânica. Uma paisagem verdadeiramente maravilhosa!

Coordenadas: 37°45’47.0″N 25°29’33.3″W

Lagoa do Fogo

Um pouco mais abaixo encontramos um parque de estacionamento, um novo miradouro a menos altitude e onde se consegue ter vista mais próxima para a Lagoa do Fogo. É aqui também que se inicia o trilho pedestre até à lagoa, um caminho algo técnico que dura cerca de 30 minutos, mas acredite que durante este percurso é brindado com as vistas mais incríveis de São Miguel.

Coordenadas: 37°45’45.8″N 25°29’32.7″W

Miradouro da Bela Vista

A escassos metros da Lagoa do Fogo encontramos o Miradouro da Bela Vista, mas desta feita com uma paisagem completamente diferente. Embora seja bastante próxima da lagoa, a vista deste miradouro é para o oceano e para a Ribeira Quente. Admitimos que gostamos mais de admirar a Lagoa do Fogo, mas ainda assim este miradouro merece uma paragem para apreciar de uma outra perspetiva o encanto inegável de São Miguel.

Coordenadas: 37°46’41.0″N 25°29’44.3″W

Monumento Natural da Caldeira Velha

A Caldeia Velha era o local que se seguia e, confessamos, um que aguardávamos conhecer com alguma ansiedade, sobretudo porque era o primeiro lugar na ilha de águas férreas e termais que íamos conhecer.

Inserida no Monumento Natural e Regional da Caldeira Velha existe uma grande diversidade biológica nas encostas da Serra da Água de Pau e diversas piscinas termais originárias do complexo vulcânico da Lagoa do Fogo. Existem diversas fumarolas e três piscinas de águas termais, onde as temperaturas variam entre os 25 e os 38ºC. Para perceber a sua origem e conhecer mais sobre a sua fauna e flora deve visitar o Centro de Interpretação Ambiental da Caldeira Velha.

Dicas: Monumento Natural da Caldeira Velha

Roupa: As águas da Caldeira Velha possuem imenso ferro e podem danificar a sua roupa. Por isso aconselhamos a levar roupa de banho mais velha para que não se danifique.

Entrada: As entradas para a Caldeira Velha são controladas e cada pessoa tem direito a permanecer no espaço 2 horas, existindo um limite de 250 pessoas. É bastante comum existir filas de espera para entrar, por isso aconselhamos a chegar nas primeiras horas da manhã.

Preço: O preço para conhecer o Monumento Natural da Caldeira Velha é de 3€, mas caso pretenda tomar banho nas suas piscinas termais é de 8€. Os residentes dos Açores, desde 2018, que podem frequentar gratuitamente o espaço.

Cascata do Salto do Cabrito

Tempo agora de irmos conhecer uma das nossas predileções, as cascatas. A Cascata do Salto do Cabrito foi a primeira cascata que conhecemos na nossa passagem pela ilha e deixou-nos completamente rendidos.

Encontramos uma imponente queda de água com cerca de 40 metros que forma um pequeno lago de água límpida e cristalina que, em dias de boas condições atmosféricas, torna-se impossível resistir. Para nosso espanto quando entramos na água achamos que era bem mais amena do que em todas as cascatas que já experimentamos até hoje. Na sua visita ao Salto do Cabrito não deixa de ir a banhos, vai ver que água está bem apetecível!

Dica: Como chegar à Cascata do Salto do Cabrito?

Caso esteja a seguir o nosso roteiro e pretenda visitar o Salto do Cabrito, após a Caldeira Velha, ao seguir em direção à Ribeira Grande pela Estrada Nacional 5-2A, irá encontrar uma viragem à sua direita com a indicação de acesso ao Salto de Cabrito. Ao seguir por esse acesso de terra batida encontrará um pequeno estacionamento na berma desse caminho. Pode fazer uma de duas coisas: estacionar aí e seguir por um trajeto de cerca de 500 metros até à cascata ou descer com o automóvel até ao estacionamento que existe bem próximo da cascata, a 50 metros. Todos optariam por ficar a 50 metros, obviamente, mas devido ao facto de a estrada ser bastante ingrime, em dias escorregadios pode não ser a melhor opção. Em dias solarengos qualquer carro sobe e desce o caminho sem qualquer problema.

Coordenadas: 37°47’45.7″N 25°29’40.6″W

Miradouro das Caldeiras da Ribeira Grande

Continuamos a descer até ao Miradouro das Caldeiras da Ribeira Grande onde temos uma vista para a típica floresta Laurissilva e também para a vertente geotérmica da Ribeira Grande.

Se realizarmos uma pequena caminhada a partir do miradouro iremos encontrar 9 buracos para a confeção dos tradicionais cozidos açorianos, semelhante ao que viríamos a encontrar nas Furnas. Existe ainda as Caldeiras da Ribeira Grande, um conjunto termal com três tanques de pedra com água quente natural.

Coordenadas: 37°47’51.9″N 25°29’18.9″W

Fábrica de Chá Gorreana

A Fábrica de Chá Gorreana tornou-se local de paragem obrigatória em qualquer roteiro por São Miguel e todos nós, pelo menos alguma vez na vida, já tínhamos visto imagens dos lindos campos de chá da Gorreana. Acreditem que na realidade são tão bonitos como nas fotografias.

Fundada em 1883, a Fábrica de Chá Gorreana orgulha-se de ter sido a primeira plantação de chá na Europa, tudo por culpa das excelentes condições climatéricas de São Miguel que permitem o cultivo de chá verde e preto de forma totalmente  orgânica e sem aparecimento de qualquer tipo de praga.

Para além da visita aos campos é também possível conhecer o interior da fábrica e caso o faça durante o horário de trabalho é possível ver os trabalhadores a executarem as tarefas de fabrico.

Dica: Fábrica de Chá do Porto Formoso

Mesmo ao lado da Fábrica de Chá Gorreana existe a Fábrica de Chá do Porto Formoso, mas durante a nossa passagem a fábrica encontrava-se fechada pelo que não a conseguimos conhecer. Para quem é fã de chá tente conciliar a sua passagem com o horário de funcionamento, porque segundo consta esta fábrica dispõe de um excelente espaço museológico, ideal para quem deseja perceber os primeiros espaços e a história do fabrico de chá em São Miguel.

Praia dos Moinhos

Em Porto Formoso, entre a Ribeira Grande e Lombo da Maia, está localizada a Praia dos Moinhos que é um excelente local para descansar e claro ir a banhos. Com um areal generoso, rodeada de encostas verdes e acompanhada por uma localidade bem simpática, onde pode optar por fazer uma refeição ligeira. As características desta praia são tão únicas que costuma ser bastante procurada nos meses de verão.

Miradouro de Santa Iria

Miradouros e mais miradouros, de facto achamos que passamos a maior parte do tempo da nossa viagem na caça aos miradouros, mas o Miradouro de Santa Iria é daqueles que não podemos falhar a visita. A vista para a costa norte e para o mar é única e apreciar esta paisagem maravilhosa é um verdadeiro prazer.

Coordenadas: 37°49’25.7″N 25°27’44.3″W

Ribeira Grande

A Ribeira Grande é uma das três cidades da ilha de São Miguel e dispõe de um centro histórico interessante, com igrejas, belas ruas, um farol e alguns museus. Esta região tem um grande legado arquitetónico, onde despontam belas construções góticas e manuelinas que embelezam toda a zona central.

Um dos pontos de destaque são as Piscinas da Ribeira Grande que são um complexo anexo à praia, sendo a piscina de água salgada.

Praia do Areal de Santa Bárbara

A próxima paragem foi a Praia do Areal de Santa Bárbara, uma das praias com maior areal que encontramos na nossa visita e que, dadas as condições do mar, é uma da mais procuradas para a prática de desportos náuticos e em particular surf.

Rabo de Peixe

No concelho da Ribeira Grande está localizada uma das vilas mais carismáticas de São Miguel, a vila de Rabo de Peixe. Uma pequena vila piscatória à beira mar plantada, onde grande parte da sua população vive da pesca, uma das atividades vitais da economia da ilha. Conhecer esta vila é conhecer o lado mais tradicional e único dos Açores.

Miradouro do Navio

Terminamos este terceiro dia na localidade de Capelas para conhecermos dois bonitos miradouros, o Miradouro do Navio, onde no alto de um antigo forte colocaram uma embarcação virada para o mar, uma ideia bastante original. Atualmente a embarcação já se encontra bastante degradada, mas a vista continua magnífica.

Ao lado existe o Miradouro das Pedras Negras, outro excelente lugar para admirar a imensidão do oceano e observar a obra geológica em formato de Tromba de Elefante.

Coordenadas: 37°50’04.8″N 25°40’33.6″W

4º Dia

Miradouro do Castelo Branco

Começamos o nosso quarto dia da melhor maneira, de novo por um miradouro e desta feita por um pouco conhecido, mas onde encontramos uma vista que nos impressionou. O Miradouro do Castelo Branco é uma torre construída por um antigo proprietário daquele terreno e daí conseguimos observar a Lagoa das Furnas, Vila Fanca do Campo e o seu ilhéu e toda a áurea natural que forma uma paisagem deslumbrante.

Coordenadas: 37°45’15.5″N 25°21’19.6″W

Lagoa das Furnas

Um dos locais mais conhecidos de São Miguel é a sua famosa Lagoa das Furnas, que se instalou na antiga cratera do Vulcão das Furnas, com cerca de 8km de comprimento. Mais do que água que se instalou no interior da caldeira, toda a abundância de vegetação que se encontra em redor da lagoa torna o lugar ainda mais especial.

Para apreciar esta fantástica paisagem visite o Jardim da Lagoa das Furnas e relaxe num dos muitos bancos existentes com vista para a lagoa. Nas imediações do jardim vai encontrar a Capela da Nossa Senhora das Vitórias, uma estrutura neogótica distinta construída a cargo de José de Canto, que ordenou a sua construção como promessa em caso de recuperação da sua esposa que se encontrava gravemente doente.

Ligeiramente mais à frente encontra-se a Mata Jardim José do Canto onde somos presenteados com uma enorme variedade de árvores e flores que tornam a vista para a Lagoa das Furnas ainda mais incrível.

Miradouro do Lombo dos Milhos

Seguimos até ao Miradouro do Lombo dos Milhos onde, embora a paisagem não seja das mais extraordinárias, conseguimos ter a uma vista panorâmica muito boa sobre a vila das Furnas que, diga-se, ainda é bastante grande.

Coordenadas: 37°45’50.1″N 25°19’10.2″W

Caldeira e Fumarola das Furnas

Na margem oposta encontram-se as Caldeiras e Fumarolas das Furnas, onde são colocados os famosos cozidos. As caldeiras são pequenas lagoas formadas pela água da chuva nas crateras do vulcão adormecido, mas como existe atividade vulcânica a água borbulha atingido elevadas temperaturas, que podem atingir os 96ºC. Algumas emitem gases e vapores, as conhecidas fumarolas e, muitas delas, libertam o conhecido cheiro a enxofre que costuma causar enjoos a pessoas mais sensíveis.

A melhor altura do dia para visitar este local é entre as 11.30h e 12.15h quando os restaurantes se deslocam até às fumarolas para retirar as panelas com o Cozido das Furnas dentro dos buracos. Os cozidos demoram entre 5 a 7 horas até estarem prontos, pelo que o processo de cozedura tem obrigatoriamente de começar bem cedo.

Dica: Parque Grená

No mesmo espaço das Caldeiras das Furnas encontra-se o Parque Grená, um bosque denso de grandes dimensões com várias espécies de plantas e árvores. Contudo quando visitamos as caldeiras o parque encontrava-se encerrado e não o podemos conhecer. Fiquem a conhecer o seu interior contado pelos nossos amigos do blog Viver o Mundo

Restaurante Tony’s

Não costumamos colocar restaurantes na lista de locais do nosso roteiro, mas o restaurante onde comemos o tradicional Cozido das Furnas deve ser local obrigatório em qualquer roteiro em São Miguel. O nosso restaurante escolhido foi o Restaurante Tony’s e é também o mais popular e o que nos foi aconselhado. O paladar é distinto de tudo aquilo que tínhamos experimentado até hoje e o cozido é uma mistura de carnes igual ao tradicional cozido à portuguesa com carne de vaca, porco, frango, enchidos e, claro, legumes. Algumas pessoas tinham falado do sabor a enxofre que fazia com que não fôssemos capaz de comer, mas nós apenas sentimos ligeiramente o sabor na chouriça e nos legumes.

Casa Invertida

A seguir ao almoço caminhamos pelo interior da vila das Furnas e encontramos, na Avenida Victor Manuel Rodrigues, a casa mais estranha que vimos até hoje, a Casa Invertida. Na verdade, não se trata bem de uma casa, mas sim um posto de transformação da EDA – Empresa de Eletricidade dos Açores que em vez de uma casa normal quis inovar e fazer um edifício diferenciador. A Casa Invertida é uma alusão aos constantes movimentos tectónicos.

Nas proximidades existe um espaço ajardinado que merece uma visita, o Jardim das Quenturas, que tem uma cascata e um aquário que chamam bastante à atenção.

Fumarolas da Vila das Furnas

A vila das Furnas, ainda no interior da caldeira do vulcão das Furnas, é outro dos bons locais para admirar as características únicas da geotermia desta região. Pelas diversas fissuras existentes são libertados gases e vapor de água e conseguimos observar, em pequenas caldeiras, a água a borbulhar em altas temperaturas. O odor a enxofre é forte e tenha bastante cuidado ao visitar esta zona porque a água está realmente em brasa.

Parque Terra Nostra

A nossa tarde pretendia ser de relaxamento e encanto no magnífico jardim botânico de flora endémica dos Açores e, claro, da sua incrível piscina de águas termais alaranjadas que todos nós já conhecemos.

O jardim conta com uma enorme variedade botânica desde árvores, plantas e diversos lagos e riachos que tornam este parque único, passear pelos seus trilhos é uma verdadeira experiência. O ponto máximo do relaxamento são as suas piscinas termais onde a temperatura das águas ronda os 40ºC. Recentemente instalaram uns tanques mais pequenos, um género de jacuzzi que são também maravilhosos.

Miradouro do Pico do Ferro

Podíamos estar a ficar fartos de miradouros, mas isso é impossível porque a cada miradouro ficamos mais surpreendidos com a beleza paisagística que vamos encontrando. O Miradouro do Pico do Ferro é um miradouro com uma extraordinária vista sobre o vale das Furnas e em especial sobre a Lagoa das Furnas. O espaço do miradouro está bastante arranjado e tivemos a sorte que, no momento da nossa visita, o local encontrava-se quase vazio pelo que podemos apreciar calmamente desta vista extraordinária.

Coordenadas: 37°46’19.2″N 25°20’02.8″W

Ribeira Quente

Seguimos caminho até Ribeira Quente e à chegada, nas imediações do conhecido túnel da Ribeira Quente, encontramos logo imensas cascatas rodeadas de um verde que nos agradou, e muito. A principal surpresa está exatamente no meio do túnel onde, se olharmos à direita, caso vamos em direção a Ribeira Quente avistamos uma estrondosa cascata, a Cascata da Ribeira Quente. Paramos o carro no fim do túnel, arriscamos um pouco e seguimos a pé até à passagem existente no meio do túnel e seguimos um trilho que segue na sua direção. Não fomos até à cascata, mas ficamos a admirá-la de longe e ficamos impressionados com esta verdadeira força da natureza.

Já no interior da localidade de Ribeira Quente encontramos uma das praias mais bonitas da ilha de São Miguel, a Praia do Fogo, que está localizada numa baía incrível onde a água apresenta uma tonalidade azul clarinho que torna o local bem paradisíaco.

Poça Dona Beija

Para o final do dia deixamos um miminho para nós e fomos relaxar para a Poça Dona Beija. Envolto num clima tropical e místico, estão localizadas cinco piscinas com águas termais de alto teor férreo onde as temperaturas da água são de 39ºC, à exceção unicamente de uma onde rondam os 28ºC.

A Poça Dona Beija é um local sobretudo de relaxamento, onde as águas quentes, para além das propriedades terapêuticas, são sobretudo boas para descansar as pernas após um dia de longas caminhadas. O melhor deste parque é que o horário de encerramento é às 23h, tornando o local ideal para terminar o dia e poder apreciar de um banho de água quente enquanto apreciamos o pôr do sol e o céu estrelado.

5º Dia

Miradouro do Salto do Cavalo

Iniciamos o nosso quinto dia da melhor forma, pela localidade de Salga, no Miradouro do Salto do Cavalo onde tivemos outra oportunidade de pasmar com as paisagens açorianas. Neste miradouro podemos avistar tanto o Vale das Furnas como toda a costa sul e norte da ilha, podia vencer o prémio da vista mais abrangente de São Miguel.

Coordenadas: 37°47’14.6″N 25°17’01.1″W

Povoação

Partimos em direção à costa sul de São Miguel até à vila de Povoação, onde em 1444 desembarcaram pela primeira vez os primeiros povoadores da ilha. Foi esta vila a porta de entrada para o povoamento da ilha, tendo por isso no seu centro histórico construções bastantes antigas que demonstram a importância desta vila, desde logo a Igreja Nossa Senhora do Rosário, a primeira igreja a ser construída em São Miguel.

Na sua passagem por Povoação não deixe de dar um passeio pela sua marina e conhecer o seu património religioso e, caso o passeio lhe abra o apetite, experimente as Fofas da Povoação.

Miradouro do Pôr-do-Sol

A vila de Povoação é bastante agradável de conhecer pela sua simplicidade e hospitalidade, mas vê-la de um miradouro é outra sensação incrível. O melhor miradouro para ver o vale profundo da Povoação, originado por uma depressão vulcânica onde desponta uma catita vila, é o Miradouro do Pôr-do-Sol. Além da vista ser maravilhosa nas imediações existem mesas, cadeiras, grelhadores, boas zonas de sombra e até WC’s para quem desejar petiscar e em simultâneo pasmar com uma vista inacreditável.

Coordenadas: 37°45’11.2″N 25°13’07.4″W

Miradouro do Pico dos Bodes

No alto de uma estrutura de madeira que serve de posto de vigia às baleias encontramos uma vista panorâmica maravilhosa, no Miradouro do Pico dos Bodes. Com uma estrutura carismática e com uma vista que se estende do Faial da Terra a Vila Franca do Campo, o verde abunda e o azul do mar enchem a nossa vista. Melhor de tudo, o miradouro não parece muito procurado pelo que pudemos apreciar ainda melhor o momento.

Coordenadas: 37°44’49.2″N 25°13’08.4″W

Cascata Salto do Prego

Seguimos até Faial da Terra, localidade onde se inicia o trilho até à maravilhosa Cascata Salto do Prego. O PRC9SMI – Trilho do Salto do Prego inicia-se junto à paragem de autocarro de Faial da Terra e tem a extensão de 4,5km que demora cerca de 2 horas até ser concluído. O percurso tem uma dificuldade média face alguns desníveis que se tem de superar, mas com calma faz-se muito bem. O trilho é maioritariamente realizado em zonas de sombra onde a vegetação e pequenos riachos nos acompanham e embelezam todo o percurso.

A grande recompensa do percurso é sem dúvida a cascata, pelo menos para nós que somos completamente fãs desta maravilha da natureza. A cascata não é enorme, mas forma uma piscina bem jeitosa e embora a água seja fria acredite que depois do percurso vai saber bastante bem. Um dos nossos locais de eleição de São Miguel!

Coordenadas: 37°45’38.8″N 25°11’48.5″W

Miradouro da Ponta da Madrugada

Depois de um percurso pedestre voltamos aos miradouros! A costa este da ilha tem alguns miradouros que merecem a pena a visita como é o caso do Miradouro da Ponta da Madrugada. Como o próprio nome indica este miradouro é indicado para a madrugada, ou seja, para apreciar o nascer do sol. Nós não o fizemos, mas caso tenha possibilidade arrisque e depois conte-nos como é o nascer do sol neste miradouro. A verdade é que mesmo com o sol já bem alto a vista é maravilhosa bem como todo o espaço bem arranjado, florido e com boas infraestruturas até para realização de um piquenique.

Coordenadas: 37°47’21.1″N 25°08’47.7″W

Miradouro da Ponta do Sossego

Tínhamos adorado o primeiro e a poucos quilómetros de distância encontra-se outro que nos deixou ainda mais impressionados. O Miradouro da Ponta do Sossego além de ter um jardim enorme, com várias espécies de plantas onde se destacam as carismáticas hortênsias, tem a vista mais bonita sobre a costa este que tivemos a oportunidade de conhecer. O azul do mar, o verde das plantas e das árvores conjugados com o vermelho da terra argilosa são os condimentos ideias para a foto perfeita.

Coordenadas: 37°47’57.2″N 25°08’45.0″W

Farol da Ponta do Arnel

O Farol da Ponta do Arnel foi o primeiro farol a ser construído na ilha de São Miguel e continua muito bem preservado até aos dias de hoje. A paredes meias com o Oceano Atlântico numa privilegiada localização é aqui que compreendemos o significado de infinito ao admirar o azul que se estende num horizonte sem fim.

Aconselhamos a quem queira visitar o farol a deixar o automóvel na estrada principal e seguir o caminho até ao farol a pé, são cerca de 500 metros mas irá poupá-lo do ataque cardíaco de tentar subir uma sinuosa e ingrime estrada com o carro. A estrada chega a ter 35% de inclinação. Caso esteja com preguiça ou simplesmente não lhe apetece caminhar pode apreciar da paisagem no Miradouro do Farol de Arnel.

Nordeste

Seguimos até Nordeste, uma pequena vila, mas com bastantes pontos de interesse, onde se destaca a Ponte dos 7 Arcos, uma ponte inaugurada em 1883 e é uma das mais bonitas de São Miguel. Tivemos tempo ainda de passar pelo Miradouro da Boca da Ribeira que tem vista para a piscina de água salgada que se encontra na foz da Ribeira do Guilherme.

Jardim Botânico da Ribeira do Guilherme

O nosso próximo ponto era o Jardim Botânico da Ribeira do Guilherme, mas como somos bastantes distraídos não estávamos a par da hora de encerramento e não o conseguimos visitar. Do que conseguimos perceber do exterior pareceu-nos encantador e com uma vegetação luxuriante típica das florestas da Macaronésia, onde passa também a Ribeira do Guilherme, que torna o espaço ainda mais bonito.

Parque da Ribeira dos Caldeirões

Continuamos pelo concelho do Nordeste desta feita no Parque da Ribeira dos Caldeirões, um parque com uma enorme biodiversidade que faz parte da área protegida dos declives da Serra da Tronqueira.

Com uma fauna e flora que remete o nosso imaginário para um clima tropical, neste jardim destacam-se as espécies da macaronésia e da Floresta Laurissilva onde as hortênsias têm sempre o seu destaque. O que chama também à atenção é a Cascata Véu da Noiva, uma das mais famosas da ilha e na nossa opinião uma das mais bonitas também.

Cascata Salto da Farinha e Poço Azul

Para terminar o dia íamos ao encontro de mais uma cascata, a Cascata Salto da Farinha, através do trilho pedestre PR21 SMI – Padrão das Alminhas, mas no Miradouro do Salto da Farinha reparamos que a cascata estava praticamente seca, a lagoa que a cascata forma ainda tinha água mas da cascata apenas corria um ligeiro fio de água. Segundo apuramos o caudal desta cascata é maior na época das chuvas, tenha isso em consideração na altura em que fizer a sua visita.

Cansados de um dia de grandes descobertas decidimos abdicar de fazer o trilho porque pareceu-nos que a nossa recompensa não ia ser a que idealizamos. Contudo, certamente que o percurso merece bastante a pena. Fica para uma próxima.

Dica: Trilho Moinho de Félix – Cascatas

Nós, infelizmente, não tivemos tempo de o fazer, mas caso seja fã de caminhadas na natureza ou de cascatas e tenha tempo disponível faça o Trilho Moinho de Félix. É um percurso circular de 5,5km que começa junto à Igreja da Lomba de São Pedro e onde, pelo caminho, encontrará Miradouro da Rocha, Cascata do Homem, Ruínas do Moinho de Félix, Cascata de Teófilo e a Cascata da Gruta.

Coordenadas Cascata Salto da Farinha: 37°51’05.1″N 25°17’39.4″W

Coordenadas Poço Azul: 37°51’01.7″N 25°17’22.3″W

6º Dia

Ponta Delgada

O nosso último dia seria mais curto, sendo o dia de partida da ilha, pelo que decidimos deixar para último conhecer a capital de São Miguel, a cidade de Ponta Delgada.

Ponta Delgada é uma cidade enorme, com todos os serviços e com tudo aquilo que associamos a uma grande cidade e ainda com lugares bastantes interessantes para visitar. As casas brancas e as ruas de empedrado de rocha negra basáltica são as cores que predominam numa cidade que tem sempre o mar como pano de fundo.

Não existe melhor forma de começar um passeio pela cidade do que pela sua marginal, lado a lado com o mar e ir até ao Forte de São Brás. Depois dirigimo-nos para o centro histórico da cidade até ao Campo de São Francisco onde encontramos a Igreja de São José e o Santuário do Senhor Cristo dos Milagres. Seguimos até à parte norte de Ponta Delgada até ao Jardim António Borges, um jardim impressionante com um vasto número de espécies e com árvores centenárias. Seguimos até à zona central onde estão localizadas as Portas da Cidade, o grande simbolo da cidade, a Igreja Matriz, o Palácio da Conceição e o Teatro Micaelense.

Plantação de Ananases Augusto Arruda

De seguida fomos até às famosas Plantações de Ananases Augusto Arruda que conta já com mais de 100 anos de história, tornando-a uma das mais antigas de São Miguel. De forma gratuita conseguimos ficar a conhecer os diferentes estágios de desenvolvimento dos ananases. Cada estufa, que é repleta de vidros caiados, corresponde a um estágio diferente do seu desenvolvimento e ao entrar conseguimos claramente ver as diferenças. Da plantação à colheita, o processo demora cerca de 18 meses até termos ananases prontos a comer. É possível visitar as estufas tanto de forma livre como guiada e caso queiram comprar ananases, compota, existe também uma loja onde o pode fazer.

Plantação de Ananás dos Açores

No fim de almoço decidimos ir conhecer outra plantação, desta feita para provar os afamados ananases. Fomos até à Plantação de Ananás dos Açores comemos uma porção de ananás e experimentamos ainda os licores de ananás, ambos estavam deliciosos e mais do que aprovados. Esta plantação pareceu-nos ainda maior do que a anterior, mas o método de produção é idêntico e a forma como a visita é organizada também. Mais uma excelente opção para quem quiser conhecer a história e processo de cultivo do ananás de São Miguel.

Praia do Pópulo

Terminamos a nossa visita aos Açores a olhar para o mar, na Praia de Pópulo, localizada bem perto de Ponta Delgada, o que a faz uma das mais procuradas pelos citadinos. É uma praia com um areal generoso e com boas acessibilidades que a tornam perfeita para um dia de praia em cheio.

Foi aqui que, com tristeza, tivemos de nos despedir de uma experiência incrível que durou cerca de 6 dias e que com toda a certeza iremos voltar. Ficamos completamente rendidos ao encanto de São Miguel!

Leia também

4 comentários

Gabriela 09/07/2021 - 12:32

Acompanhei no Instagram a vossa aventura. Tinha viagem marcada para S. Miguel na ultima semana de junho, infelizmente, por motivos de força maior, à ultima hora não pude concretizar. Mas nem tudo é mau, porque assim com as excelentes discrições e dicas do vosso roteiro, posso reformular e melhorar o meu, para quando puder finalmente realizar esta viagem 😉

Responder
pontodepartida 15/07/2021 - 15:09

Ohh que pena, esperamos que não seja grave e que recuperes o mais depressa possível! Temos a certeza que vais adorar explorar esta ilha, é um encanto da natureza!! As melhoras e boas viagens 🥰🥰

Responder
Inês Garcia Moreira 14/07/2021 - 19:17

Incrível! Tem sido a base de todo o nosso roteiro por São Miguel! Obrigada por todas as descrições e dicas ❤

Responder
pontodepartida 15/07/2021 - 15:12

Ficamos tão felizes em saber, a sério!! Continuação de boa viagem, beijinho 🥰❤

Responder

Faça um comentário