fbpx

Visitar o Alqueva | Roteiro de 2 dias

por Fábio Santos

A Barragem do Alqueva dinamizou o Alentejo como há muito ele precisava! Embora o objetivo principal fosse irrigar o Alentejo e desenvolver a agricultura, a criação da Albufeira do Alqueva veio criar novas e importantes possibilidades de desenvolvimento turístico. Assim, associou-se as potencialidades de uma região com uma longa história, com um vasto património arquitetónico, arqueológico e cultural ao turismo de natureza, balnear e náutico.

Esta junção de fatores tem vindo a dinamizar a economia local, criando novas oportunidades que tentam contrariar a desertificação que o Alentejo tem vivido. Embora essa missão esteja longe de ser cumprida a região, com a construção da barragem, ganhou imensas novas potencialidades, colocando a Região do Alqueva no mapa dos locais turísticos de eleição de Portugal.

Alqueva | Geografia e História

Localizada a cerca de 50km de Évora, a Barragem do Alqueva é o maior lago artificial da Europa com uma albufeira com cerca de 250km2 e 1100 quilómetros de margem. A albufeira abrange os concelhos Portel, Moura, Reguengos de Monsaraz, Mourão e Alandroal, e ainda os municípios raianos de Olivença, Cheles, Alconchel e Villanueva del Fresno.

A sua construção iniciou-se em 1998 tendo sido concluída em 2002 com a abertura das comportas. Desde os primeiros rabiscos do projeto até à construção final da barragem passaram cerca de 50 anos, existindo à data muito ceticismo em relação ao avançar daquela que foi provavelmente a maior construção do último século em Portugal.

O objetivo da sua construção era criar uma área de regadio para toda a região do Alentejo e simultaneamente desenvolver energia hidráulica que proporcionasse energia limpa à região. Atualmente, com uma capacidade de 520 megawatts os geradores da barragem são suficientes para fornecer todo o distrito de Beja.

Alqueva | Atividades

O Grande Lago do Alqueva é o local ideal para os fãs de aventura e desportos náuticos, sendo atualmente um dos palcos mais apetecíveis para a prática.

Propostas não faltam: passeios de canoa, passeios de standupaddle, ski e wakeboard, entre muitos outros, basta existir imaginação. Todas estas atividades podem ser experimentadas através do Alentejobreak, que dispõe de todos os materiais e equipa que o farão ter uma experiência verdadeiramente memorável. Até aconselhamos que alie o desporto ao projeto Dark Sky e faça canoagem enquanto observa as estrelas, num dos melhores locais do mundo para a observação delas.

Falando no projeto Dark Sky ou “Starlight Tourism Destination”, a região do Alqueva possui uma qualidade do céu invejável para a observação de corpos celestes a olho nu. Esta mais recente virtude do Alqueva tem sido cada vez mais divulgada e alvo de atração de muitos curiosos pelos cosmos. Já existem diversas empresas na região com equipamento disponível e pessoal capacitado para lhe ensinar e explicar os mistérios do céu.

Alqueva | Roteiro – 1º Dia

Fortaleza de Juromenha | Castelo de Terena | Monsaraz | Cromeleque de Xerez | Convento da Orada | Praia Fluvial de Monsaraz | São Pedro do Corval | Reguengos de Monsaraz

….—- Fortaleza de Juromenha

A nossa primeira paragem foi na margem esquerda da Albufeira do Alqueva e aconteceu sem estar planeado. Íamos na estrada N255 e vimos uma placa a indicar a fortaleza, como o nome pareceu-nos familiar decidimos arriscar uma visita. À chegada encontramos um local inóspito, cheio de ruínas e com uma paisagem incrível sobre as planícies e sobre o Guadiana. Adoramos encontrar estes locais abandonados e passear-nos por lá à procura do local ideal para uma fotografia. A origem desta fortaleza remonta à época romana, mas foi ocupada durante largos anos pelos muçulmanos desde a sua invasão na Península Ibérica. Só em 1167, pelas mãos de D. Afonso Henriques, o castelo foi conquistado pelas tropas portuguesas.

….—- Castelo de Terena

Continuando pelo concelho do Alandroal, mais concretamente na freguesia de São Pedro de Terena, encontramos o Castelo de Terena. Deixamos o carro à entrada da vila e caminhamos calmamente pelas ruas de empedrado enquanto admirávamos as típicas casas alentejanas, brancas com as suas faixas coloridas. No cimo da vila, num monte, encontramos o bem preservado castelo e a sua muralha com uma vista soberba sobre a vila e planícies alentejanas.

Segundo apuramos não é conhecida a idade de construção deste castelo, sendo os primeiros registos de atividade datados no século XII, no reinado de D. Afonso III. Considerado Monumento Nacional, o bom estado de conservação deste castelo deve-se às sucessivas remodelações que sofreu ao longo da história. 

….—- Monsaraz

De volta à estrada, estava na altura de nos dirigirmos àquele que é um dos pontos altos da nossa viagem à Região do Alqueva, a vila medieval de Monsaraz. Visite-a sem pressas, como o Alentejo exige, perca-se nas ruas de empedrado enquanto se deslumbra com as encantadoras casas de xisto e cal. Esta pequena vila é daqueles lugares que nos prendem, que nos fazem sentir bem e querer saber mais acerca da sua história. Nas suas calmas ruas, há histórias de templários que por ali passaram, de reis e de gentes destemidas que fizeram a história naquela que é considerada uma das vilas mais antigas de Portugal.

Vencedora do concurso 7 Maravilhas de Portugal na categoria “Aldeias Monumento”, Monsaraz é uma verdadeira vila-museu. Além de toda a história associada a esta mítica vila, o Castelo de Monsaraz é um dos melhores mirantes sobre as águas do lago do Alqueva.

Nas suas ruas irá encontrar charmosos cafés, restaurantes de boa gastronomia alentejana e hotéis fantásticos com vistas incríveis sobre o Alqueva e sobre os campos alentejanos. Uma vez na vila não deixe de conhecer a Igreja Matriz de Santa Maria da Lagoa, de estilo românico bem ao estilo da vila.

….—- Cromeleque de Xerez

Nas imediações de Monsaraz, encontra-se um conjunto megalítico composto por 50 menires de granito erguidos entre 4.000 a 3.000 a.C (bem velhotes). Este monumento pré-histórico julga-se ter sido construído, à semelhança dos outros cromeleques existentes, como templo de culto ao sol, lua ou outros astros. O Cromeleque de Xerez tem semelhanças incríveis ao mundialmente conhecido Stonehenge mas, segundo os arqueólogos e historiadores, é ainda mais antigo que este.

Outro pormenor interessante é que a localização inicial deste cromeleque não é a localização em que se encontra hoje em dia, nas imediações do Convento de Orada. Inicialmente estava localizado nas imediações do monte de Xerez, a 5km de Monsaraz mas, com a construção da Barragem do Alqueva, a sua posição inicial ficou submersa. Assim decidiu-se realocar este monumento, sendo o único monumento realocado na operação da construção do lago artificial do Alqueva.

….—- Convento da Orada

Quando visitámos o Cromeleque de Xerez aproveitamos para espreitar o Convento da Orada. Para nosso espanto o convento encontra-se ao abandono e já demonstra sinais de grande desgaste. Um edifício de grandes dimensões com as suas paredes já salitradas, é com tristeza que encontramos um local com enorme potencial naquele estado de degradação. Soubemos que foi recuperado na década de 90 e que chegou a ser local de alojamento, mas há vários anos que não tem qualquer atividade.

….—- Praia Fluvial de Monsaraz

Do Convento de Orada até à Praia Fluvial de Monsaraz distam poucos quilómetros. Nos dias quentes de verão esta praia é um verdadeiro oásis nas terras alentejanas. Primeira praia a ser distinguida com bandeira azul nas águas do Alqueva, esta praia apresenta todas as condições para receber centenas de visitantes. Se o tempo não for convidativo para banhos pode sempre optar por tomar um café na esplanada da praia ou então caminhar nas margens do rio enquanto se deslumbra com a biodiversidade que por ali prolifera.

….—- São Pedro do Corval

São Pedro do Corval é a capital da olaria em Portugal e conta com mais de 30 olarias na sua aldeia. Desde a pré-história que nos seus terrenos existiram depósitos únicos de argila, pelo que ao longo da história os diversos povos aproveitaram esta característica geológica para desenvolver incríveis peças. Por isso, se quiser aprender ou assistir à criação destas peças, São Pedro do Corval é o local ideal. Se por outro lado é fã destas peças de artesanato tipicamente alentejano, mas não tanto de fabricá-las, pode sempre optar por adquirir uma das muitas peças fantásticas que se encontram expostas pela aldeia.

….—- Reguengos de Monsaraz

A nossa última paragem do primeiro dia foi na cidade de Reguengos de Monsaraz, onde íamos também ficar hospedados. Pelo caminho, entre Monsaraz e Reguengos, somos brindados com as magnificas planícies alentejanas, numa região onde a agricultura é o principal meio de subsistência. Nesta cidade encontramos a Igreja de Santo António, uma lindíssima igreja de estilo neogótico que nos saltou à vista assim que a encontramos.

Os campos vinícolas são a paisagem de destaque que pintam as longas e aromadas planícies, sendo estes terrenos prósperos na produção de vinho alentejano de alta qualidade. Se for fã de enoturismo dê um salto à Herdade do Esporão e fique a conhecer a história da herdade, que complementa os interesses agrícolas com a arqueologia. 

Informações úteis visita guiada às caves e adegas da Herdade do Esporão

Preço15€ por pessoa | Crianças entre os 5 e os 17 anos (sem prova): 5€
Horários:11h – inglês
12h e 16h – português
Para reservar:reservas@esporao.com
(+351) 266 509 280

Alqueva | Roteiro – 2º Dia

Campinho | Miradouro do Monte | Marina da Amieira | Barragem do Alqueva | Moura | Portel | Aldeia da Luz | Mourão

….—- Campinho

Na típica aldeia ribeirinha de Campinho encontramos uma das melhores paisagens da nossa viagem. Nas margens do grande Lago Alqueva está localizado o Parque de Merendas de Campinho, onde realizamos um pequeno piquenique em plena comunhão com a natureza. Na presença de uma paisagem de contrastes, entre o azul translúcido das águas do lago e o verde da vegetação que crescia vivamente em plena primavera, tivemos o prazer de almoçar tranquilamente neste ambiente fantástico.

O parque dispõe de todas as condições para a realização de um piquenique com diversas mesas e bancos e, além disso, existe ainda um ancoradouro onde nos dias quentes é sempre um bom local para um apetecível mergulho.

….—- Miradouro do Monte

Seguimos para sul e, entre São Marcos do Campo e a Marina da Amieira, encontramos uma das melhores vistas sobre a Albufeira do Alqueva. O Miradouro do Monte está localizado na margem esquerda da Estrada N255, se for no sentido norte-sul, onde irá encontrar um pequeno parque de estacionamento. Após uma ingrime subida irá encontrar uma estrutura de madeira que lhe permite apreciar calmamente a magnifica vista sobre o Alqueva. Acredite, é realmente incrível!

….—- Marina da Amieira

A Marina da Amieira é considerado o principal ancoradouro do Alqueva e, caso pretenda realizar um inesquecível passeio de barco pelo grande Lago Alqueva, aqui é o ponto de partida ideal. Outra possibilidade é alugar um barco-casa, não precisa de ter carta de marinheiro e pode pernoitar em plenas águas do Alqueva, onde pode alternar entre o descanso das boas condições do barco com mergulhos refrescantes nas águas do Alqueva.

Passeio de barco Marina da Amieira

Gescruzeiros – Os percursos duram entre uma e duas horas e meia e custam entre 9,50€ e 21€ por pessoa

Amieira Marina – existem 7 modelos disponíveis que têm até 5 quartos, com capacidade máxima de 10 pessoas. o Nicols Duo, o barco mais pequeno, tem apenas um quarto duplo e custa 271€ por noite durante a semana e 436€ ao fim de semana.

….—- Barragem do Alqueva

A caminho de Moura passamos pela estrutura da Barragem do Alqueva, a grande responsável pela criação do maior lago artificial da Europa. Foi no dia 8 de fevereiro que ali mesmo se fecharam as comportas e se iniciou o enchimento da albufeira do Alqueva, tornando esta barragem na maior reserva de água do país e uma das principais fontes de energia hidroelétrica.

Paramos um pouco para apreciar a dimensão colossal dos arcos betuminosos e a imensidão das águas da barragem. Tão imensas que podemos encontrar na estrutura a frase “On a clear day you can see forever”.

….—- Moura

Após esta breve paragem seguimos então definitivamente até à cidade de Moura, já pertencente ao distrito de Beja. À vista salta o Castelo de Moura, implantado no ponto mais alto cidade e classificado como Imóvel de Interesse Público desde 1944. Atreva-se a subir até ao seu reduto e fique a conhecer um castelo em que a sua ocupação remonta, segundo historiadores, à Idade do Ferro.

Além do castelo, perca-se pelas ruelas floridas do centro histórico enquanto vislumbra alguns dos muitos negócios de rua, pequenas lojas de roupa, artesanato, cafés e restaurantes. É uma vila acolhedora, onde a simpatia e simplicidade das gentes alentejanas continua sempre presente.

….—- Portel

Continue viagem até à vila medieval de Portel onde se encontra um dos mais importantes castelos da região do Alqueva. Como é apanágio, é no cimo de uma majestosa montanha que no séc. XIII foi construído o Castelo de Portel como oferenda de D. Afonso III a D. João Peres pelos favores prestados a seu serviço.

Uma vez na vila não deixe de caminhar pelas sempre calmas, bonitas e acidentadas ruas e aproveite para conhecer a Igreja Matriz de Portel e os Paços do Concelho.

….—- Aldeia da Luz

Um dos episódios mais marcantes da construção da Barragem do Alqueva está obrigatoriamente ligada à submersão da Aldeia da Luz original, pelas águas do Rio Guadiana. Um episódio que marcou para sempre os habitantes da aldeia. À época, aquando da decisão, foram dadas três hipóteses aos habitantes: indemnizá-los, transferi-los para uma povoação vizinha ou então construir de raiz uma nova aldeia semelhante. Como já sabe a última opção foi a escolhida e assim nasceu uma nova aldeia ribeirinha.

Nesta nova aldeia foi criado o Museu da Luz, com coleções etnográficas e arqueológicas que serve de memória às verdadeiras origens da aldeia para assim preservar uma das histórias mais marcantes da viragem do século.

Informações úteis Museu da Luz

Bilhete2€
Entrada livredomingos e feriados até às 13h; menores de 15 anos; desempregados; habitantes no concelho de Mourão; membros APOM e ICOM
Horários– Terça-feira a domingo
   – setembro a junho: 9.30h-13.00h | 14.30h-17.30h
   – julho e agosto: 10.00h-13.00h | 14.30h-18.30h
Encerramento– Segundas-feiras
   – 1 de janeiro; domingo de Páscoa; 1 de maio; primeiro domingo de setembro; 1 de dezembro; 25 de dezembro

….—- Mourão

Já o dia ia longo quando nos dirigimos à nossa última paragem do dia e, consequentemente, a última paragem da nossa passagem de fim-de-semana pela região do Alqueva. A poucos quilómetros da Aldeia da Luz encontra-se aquela que é uma das principais vilas alentejanas, a vila raiana de Mourão. O ex-libris desta vila é sem margem para dúvida o altaneiro Castelo de Mourão, construído em posição dominante sobre a antiga vila medieval de Mourão. De lá, é possível deliciar-se com uma vista fantástica sobre a albufeira do Alqueva.

Junto à vila de Mourão irá encontrar a Praia Fluvial de Mourão, que é uma das mais bem arranjadas praias fluviais do nosso país. Composta por 45 chapéus de sol colocados em cima de um relvado e com excelentes infraestruturas de apoios, esta praia é o local de sonho para quem tenciona desafiar os dias quentes do Alentejo.

Alqueva | Onde comer?

Na nossa estadia pelo Alqueva fizemos dois piqueniques, sendo um deles no Parque de Merendas de Campinho e ficará para sempre na nossa memória como um dos melhores para fazer piqueniques que já alguma vez estivemos. Embora tenhamos privilegiado os piqueniques e o contacto com a natureza nesta passagem pelo Alentejo, tivemos tempo ainda de contactar com o melhor da gastronomia alentejana.

Após uma seleção, decidimos conhecer o Restaurante “Os Templários”, em plena vila de Monsaraz. Uma opção que jamais nos arrependeremos! Decidimos arriscar num dos pontos fortes do Alentejo, o borrego, e escolhemos um borrego assado no forno que estava de facto uma delícia! Para acompanhar, um vinho tinto de Reguengos de Monsaraz, ou não estaríamos nós numa das melhores zonas do país na produção de vinho tinto maduro. O Restaurante “Os Templários” é uma opção que aconselhamos vivamente a quem decida fazer uma refeição perto de Monsaraz.

Alqueva | Onde dormir?

Bom filho à casa retorna! Já é a segunda vez que nos perdemos pela região do Alqueva e em ambas as vezes pernoitamos na Casa Monsaraz, um hotel onde somos sempre bem recebidos, que apresenta um quarto bem higienizado, confortável e com todas as condições para podermos ter uma noite descansada. Embora não seja luxoso, apresenta uma das melhores relações qualidade/preço da região e aconselhamos sempre este espaço a quem decida conhecer a região do Alqueva.

Deixamos aqui outras opções para todo o tipo de gostos e carteira:

Alojamento boa relação qualidade/preço

Casa Monsaraz – Monsaraz (44€)

Hotel de Moura – Moura (44€)

Charme de Monsaraz II – Monsaraz (50€)

Slowly – Com Vagar – Mourão (47€)

Alandroal Guest House-Hotel de Charme – Alandroal (62€)

Alojamento de Luxo

Herdade dos Delgados – Darksky View Hotel & SPA – Mourão (176€)

Monte Alerta – Monsaraz (90€)

Herdade Do Sobroso Wine & Country House – Moura (200€)

São Lourenço do Barrocal – Reguengos de Monsaraz (366€)

Vale do Manantio Hotel – Moura (165€)

Faz download gratuito do roteiro da Região do Alqueva e tem acesso em qualquer lugar e a qualquer hora!

Leia também

Faça um comentário